domingo, 7 de fevereiro de 2010

Um dia por vez - 06/02/10 - Felicidade também faz sofrer


Hoje estou em Palmas, onde fui almoçar na casa de uns amigos de um amigo e por lá passamos o dia à base de muita bebida, comida, música da melhor qualidade e excelentes companhias. Estavam presentes o sorriso, o encantamento, os questionamentos, o passado, o presente, o futuro, a amizade, a alegria, a cumplicidade, o amor, muitas vozes e notas musicais... e eu me senti completamente em casa.

Poucas vezes na minha vida me senti tão aconchegada, pois sempre fui uma estranha no ninho nos diversos lugares por onde já passei e continuo me metendo. É bom saber que o “mundo é tão pequeno, afinal” (risos...) e que podemos sempre reencontrar pessoas queridas que tanta importância têm na vida da gente e conhecer novas pessoas, as quais você também se afina.

Trata-se de um grupo de amigos de longa data, todos de alma apaixonada, antigos goianos que escolheram tornar a história do Tocantins mais interessante e aqui fizeram morada. Muitos eram jornalistas, alguns cantores e eu – Taiza Renata, a famosa “quem”. A única comum da roda era eu, pois os jornalistas não eram apenas isso, eles carregam consigo o dom da crítica construtiva e escrevem, não só em prosa, mas em versos também (os quais ficam sempre melhores, até porque as coisas mais simples e mais verdadeiras não precisam de muitas palavras para explicar).

Eu, com minha mania de querer traduzir tudo, assistir tudo de camarote, me envolvi completamente no processo e foi bom demais. E dá-lhe música!!! Uma mais linda que a outra, muitas por mim desconhecidas e, como disse um deles: “as músicas inéditas, todos eles já sabem e cantam, pois eles ouvem a música em DEMO.” Isso é que é poder! O resto é bobagem. (Risos!)

Detalhe: havia músicas brasileiras, latinas, italianas, inglesas... de todos os estilos e para todos os gostos. Uma das vozes que cantava também em casteliano, lindíssima, eu chamei de raio de sol, pois é forte, adentra todas as arestas e chega ao coração, quando, enfim, o aquece. O violão era o cachimbo da paz. Passando de mão em mão, cada uma ia mostrando seu talento, seu sentimento, sua expressão. Tudo isso sendo acompanhado de perto pelo santo protetor deles: São José do Monte Alegre, com direito à foto na parede e tudo mais.

A música é realmente essencial na minha vida, e precisa ser sentida no coração, se não, posso chamar apenas de poluição sonora, o que é bem diferente. As opções eram tantas, cada uma mais linda que a outra, com a perfeição atestada na junção do ritmo, da voz e da letra. Esse movimento traz no peito uma sensação tão plena, completa que, ao ouvir, sentimos uma dor funda no peito, que acaba com um sorriso no ponto final.

Entre tantas belas e significativas canções, os corações batiam mais forte, os sorrisos reluziam e o amor enchia todo o ambiente, através do som, do ecoar das vozes, do dedilhado no violão, do batuque na mesa, da gaita enriquecedora, do sangue que se transforma em amor e acelera nas veias, dando sentido à vida... mas que, de alguma forma dói dentro da gente, nos faz refletir, nos entristece à medida que nos envolve, nos embriaga, nos deixa carentes e à mercê de um algo mais. Uma sensação que posso traduzir, por incrível que pareça, em apenas uma palavra: felicidade.

Lá pelas tantas, o anfitrião me pergunta: “E então, Taiza? O que você acha? Tá ruim?” – dizia ele em tom firme, pronto para tornar ainda melhor, se preciso fosse. Quando, sem pensar, respondi: “Hoje descobri que felicidade também faz sofrer!”

3 comentários:

  1. Taiza ,vamos lá, sai dessa,encanar uma reflexão pra lá de schopenhauer numa festa desta ,só com muito Freud.Melancolia foi o que você sentiu,e poderia ter aproveitado aquele momento para dar uma banana pro sentimento oculto que a desencadeou.Observe_se e verá como ela surge do nada em outras ocasiões e lugares,aproveite para então refletir e se livrar dessa péssima amiga.

    ResponderExcluir
  2. MEU DEUS NÃO ENTENDI NADINHA DE NADA NEM O QUE VOCÊ FOI FAZER EM PALMAS E MUITO MENOS O COMENTÁRIO DO ANONIMO... AFINAL AMIGA O QUE FOI FAZER LÁ? ESTAVA SOFRENDO PORQUE ESTAVA FELIZ??? CREDO QUE PIRAÇÃO!!! kkkkk!!!!

    ResponderExcluir
  3. Eatá vendo Taiza,as pessoas normais não compreendem quando emergem essas coisas do interior,até porque elas não têm lógica.O mundo das sensações sem sentido precisam ser olhados com muita atenção.

    ResponderExcluir