sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Um dia por vez - 05/02/10 - Multas abusivas AMT


Durante toda a semana me deparei com uma suposta educação e conscientização no trânsito aos arredores do Externato São José, em Goiânia, a qual me deixou absolutamente indignada.

Vale ressaltar que é uma escola católica tradicional da cidade com mais de 60 anos de existência, situada no Setor Oeste (bairro nobre da cidade), a qual ocupa um vasto quarteirão ao lado da Avenida 85, uma das avenidas mais movimentadas da cidade.

Em seu interior, a escola possui uma vasta área de estacionamento para funcionários e pais de alunos, inclusive com vagas para deficientes físicos e ônibus de transporte escolar.

Em sua estrutura interna, por uma questão de organização e segurança das próprias crianças, a escola dividiu a Educação Infantil da Fundamental, em áreas separadas. Para maior comodidade e praticidade dos pais e alunos, disponibilizou três portões: um voltado para a Rua 18, outro voltado para a Rua 106 e outro voltado para a rua interna da escola, onde fica também o estacionamento.

Porém, apesar de todas as medidas tomadas pela escola para tornar o trânsito na região mais organizado e consciente, a AMT resolveu fazer essa “campanha” que, a mim, ficou claro ser uma forma de burlar a população e angariar mais fundos para seus cofres.

Nos horários de maior pico, de saída das crianças, tanto no período matutino como no vespertino, colocaram diversos agentes com roupas de cor chamativa organizando o trânsito de pedestres na travessia da faixa, enquanto um guarda de trânsito se aproveita da situação e multa os carros que estacionam nas calçadas, mesmo sendo área escolar e horário de saída de crianças que há mais de 60 anos nunca causou danos a ninguém.

Como se não bastasse, para sua conveniência, claro, pois foi uma definição feita pela própria AMT, o guarda fica parado na rua, na faixa que ele diz ser reservada para transporte escolar, não permitindo a parada dos carros na frente da escola, no portão de acesso.

Ora, é sabido que parar em calçadas é proibido. Isso é indiscutível! Mas, mesmo a escola proporcionando estacionamento para os veículos do Transporte Escolar, o guarda se posiciona no meio da rua impedindo que os pais estacionem em frente à escola, mesmo que por poucos minutos. E dá-lhe multas! A prancheta com a caneta são os que mais trabalham nesse cenário.

Fica explícito que essa atitude da AMT não tem nada de educativo ou conscientizador, pelo contrário, já que a campanha parece ser voltada para angariação de fundos para eles próprios.

Tenho visto isso acontecer também em horários de missas e cultos pela cidade, inclusive com alguns processos judiciais já em andamento.

Já que é direito deles multar qualquer infração vista, se sentem no direito de proibir os pais de crianças de menos de 5 anos de idade a pararem em frente à escola, colocando em risco até mesmo a segurança das mesmas.

Eu tentei conversar, argumentando que trata-se de uma escola com crianças de 1 a 15 anos de idade e que o portão da Rua 106 era voltado somente para a Educação Infantil, mas em vão. O guarda começou a dizer que os pais que estacionam nas calçadas estão atrapalhando pedestres e cadeirantes que, porventura, pudessem por ali passar.

Acredito que seja uma simples questão de bom senso a favor de uma verdadeira civilidade e de estatística, já que é uma escola voltada para crianças, num intervalo pequeno de fluxo. Quando argumentei (11:40 hs da manhã), avisei ao guarda, ingenuamente, que faria uma denúncia, já que a atitude abusiva exigia.

Voltei 15 minutos depois à escola para tirar fotos dos mesmos quando, para minha surpresa, todos tinham levantado acampamento e foram embora. Ué! E a conscientização, por que parou? Será que foram embora porque não estava sendo uma campanha efetiva? Ou porque já haviam cumprido a meta de multas do dia? Em pleno horário de rush? Ou seria ainda medo de aparecerem as câmeras de TV e flagarem a falsa campanha? É, no mínimo, muito estranho.

Só posso concluir que essa ação da AMT mostra declaradamente a máfia do trânsito. Não por acaso eles fizeram a suposta ação educativa nas ruas que cercam uma escola particular em setor nobre da cidade. Se fosse puramente conscientização e educação no trânsito, não seria necessário um guarda, bastariam os agentes entregando panfletos e informando sobre as infrações.

Minha indignação se faz no fato de me deparar com a falta total de respeito e cidadania que estamos sujeitos a passar, mesmo sendo cidadãos de bem, que trabalham arduamente para pagarem suas contas, inclusive os impostos.

A campanha forjada, mais serve para angariar fundos para a AMT, através de multas e mais multas, maquiadas por uma campanha que parece benigna à toda a sociedade.

É, brasileiros! Até quando aceitaremos ser feitos de bobos? Em nome do que? De uma melhor cidadania? De um trânsito consciente? Da segurança de nossas crianças? Não importa! Todo e qualquer motivo aparente é meramente uma enganação para arrecadação da AMT.

Espero que esse meu desabafo chegue às mãos de tantos quantos forem necessários para fazer valer o que chamamos de justiça, a mesma que não cansa de nos impor tantos deveres, tantas exigências.

Taiza Renata
(mãe de três alunos da escola - de 12 anos, 8 anos e 3 anos)

2 comentários:

  1. Eh amiga....pode ser que não resolva nada o seu desabafo, mas já é uma gota. E se continuarmos a ficar calados sempre que somos roubados por quem deveria cuidar de nós (O Estado), nada nunca irá mudar! São atos como estes, gotinhas como está sua, que criam o oceano que pode mudar as injustiças que temos que engolir todos os dias.
    Parabêns!
    Um grande beijo.

    ResponderExcluir
  2. Faço meu o seu desabafo,é realmente uma imoralidade o que as instituições dests país fazem conosco seus patrões.

    ResponderExcluir