sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Mulher com "m" minúsculo


Algo que me impressiona é que algumas mulheres não se dão conta do quanto são grandes e poderosas. Vestem a roupa do sexo frágil e se escondem atrás dela por toda uma vida. E, pior, vestem a carapuça bíblica da mulher dependente, submissa e passam a vida infelizes, sem realizarem seus sonhos, preocupadas com o que a sociedade irá pensar ou falar de sua imagem. A isso chamo de covardia!

Fico triste quando encontro mulheres assim. Elas não percebem que são especiais pelo simples fato de apenas ser mulher. Essa que coloca seus filhos no mundo e os cria com todo amor e carinho. Essa que, todos os meses, passa por seu estado de TPM, tendo que conter seus impulsos, sem contar depois as dolorosas cólicas menstruais. Essa que é o esteio de um lar. Essa que, muitas vezes, além de administrar a casa, também assume um papel profissional, apóia família e amigos, dá o melhor de si ao seu companheiro e ainda arruma tempo para cuidar de si mesma. Essa mesmo... que de sexo frágil, nada tem.

Algumas ficam tão preocupadas com celulites, estrias, marquinha aqui ou acolá, peso acima ou abaixo da média que perdem a própria auto-estima. Será que essas mulheres não pensam que é melhor um defeito na perna do que não tê-la? E que história é essa de ter que “ficar na média”? A média tem que ser aquela que te faz sentir bem consigo mesma, feliz.

Nesse meu processo de cirurgias plásticas para tirar o excesso de pele que sobrou da minha obesidade, entendi que isso é um vício. É muito fácil entrar num consultório médico e sair sem aquela mancha, sem aquela barriga, sem aquela ruga... mas, não param pra pensar o bem que a atividade física faz ao corpo e à mente. Mais difícil? Talvez no começo, mas logo ela começa a se sentir bem com ela mesma, com alegria no olhar, sorriso na boca e se sente poderosa. E mente é tudo! Quando você sente, já é.

O engraçado é que isso não aconteceu comigo. Nunca fui em paz com meu corpo. Sempre me achei gorda demais, grande demais e passei muitos anos me escondendo atrás de uma grande capa de gordura. Até que o instinto materno falou mais forte e resolvi tomar atitude. Não para ficar linda de corpo, mas para poder realizar o sonho de poder ter mais filhos. E realizei!

Agora, anos depois, com cirurgias plásticas feitas para corrigir os estragos que fiz com meu corpo pela vida, não me acho nenhuma miss, apesar de não faltarem elogios. Tenho até uma amiga que me chama de Barbie. Mas, assim como antes o meu corpo de gorda não me incomodava, o meu corpo de Barbie também não me deixa encantada, não passou a ser o meu grande potencial. Corpo é corpo. Mente é mente. E gosto da pessoa que sou, da minha mente muitas vezes mal interpretada, muitas vezes maluca, mas a minha mente, na certeza que não há ninguém igual a mim debaixo desse céu.

É triste ver mulheres que passam a vida preocupadas com o namorado ou marido, desconfiadas se estão com amantes, ligando o dia todo, fazendo perguntas, correndo atrás ao tempo todo, mendigando carinho. E pior! Tem outras que são tão cruéis consigo que são capazes de desenterrar as ex da cova e, por falta de inteligência, ficam falando dela pra ele o tempo todo, aproveitam qualquer momento de bobeira, de bebedeira para falar da outra, fazê-lo de certa forma reviver os bons momentos. Isso quando ela não reacende essa paixão! O pobre coitado nem sabe o que aconteceu, mas de tanto ela falar, falar e falar na cabeça dele, ele acaba querendo saber o que daria com essa ex, pois ninguém merece uma mulher insatisfeita, desconfiada e reclamadeira seu lado. Tenho uma amiga que diz que esse tipo de mulher é "surubenta", pois adora ficar colocando outra na sua própria cama. Concordo.

E essas que só são felizes mediante a comparação com outrem? As pessoas, tanto homens quanto mulheres, ainda não entenderam que as pessoas são diferentes e não por um acaso, mas para que possam se encontrar e se completarem. Ninguém é igual a ninguém. Somos seres únicos debaixo desse céu. O nosso valor é incomparável. E não há com que se preocupar, porque também não existe ninguém maior ou menor que ninguém, até porque o Criador é de uma perfeição tão grande que equilibrou todas as coisas. Se alguém tem mais dinheiro, desconfie dos valores dela e vice-versa.

Mulheres pequenas, sem graça, sem potencial, invejosas, inseguras... Parem para pensar! Olhem-se no espelho. Olhem pra dentro de si. Só temos o que merecemos e, se você pensa que o que tem é pouco, aja, mude, pois só você tem o potencial de mudar a própria vida, seja pra melhor ou pra pior. Por isso não sinto pena dessas mulheres, pois sei que somos 100% responsáveis pela vida que temos, afinal, a mesma é feita de escolhas. Se você não fez a escolha exata no passado, ainda há tempo de fazer outra escolha, afinal, você ainda está viva. Ou não?

Acordem e sejam mulheres com “M”maiúsculo! Você pode ser feia, desdentada, manca, baixinha, gorda, magra demais... seja lá como for, entenda que a beleza vem de dentro e é essa que se põe à mesa. Use do seu dom mais precioso que é a inteligência e a capacidade de transformar. Mas use a seu favor e não a favor de outra mulher ou um homem. Tenha confiança no seu taco e seja feliz!

O que importa se ele não te trata com a atenção que você gostaria, se você já não vive com ele a paixão do início? Ele tem vida própria, tem trabalho, amigos, familiares, pode ser até que tenha outro alguém, mas é com você que ele está todas as noites, é com você que ele divide a vida de verdade. Respeite isso. Valorize isso. O ninho é seu e é você que deixa ele mais macio ou mais espinhento.

Dizem que o homem é a cabeça da casa. Também acho, mas não tenho a menor dúvida de que a mulher é o pescoço, portanto, no íntimo, é ela quem conduz, quem faz e acontece. Está na Bíblia: é a mulher sábia que edifica o lar. Essa mesma Bíblia que impõe às mulheres tanta submissão, é a mesma que apresenta muitas histórias de mulheres guerreiras, cheias de força e de fé. Eu ainda vou além... acho que a mulher sábia edifica o mundo.

Mas tem que ser sábia! Tem que deixar de lado a insegurança e a burrice. Parar de olhar para os lados e começar a pensar em si mesma e fazer algo em prol de sua própria felicidade. Quando você olhar pra você e tudo estiver cor-de-rosa, é automático: tudo em volta fica lindo também.

Experimente crescer, renovar, mudar seus conceitos. Solte as amarras. Saboreie-se de você de corpo e alma e perceba que és um manjar dos deuses, único no Universo. Aceite-se. Aumente o seu “M” e, conseqüentemente, você estará aumentando o seu tamanho, não aquele que medimos na fita métrica, mas aquele que, no caderninho do céu, vai definir o seu lugar no mundo.

Um comentário:

  1. Querida Barbie, tenho muito orgulho da grande amiga, da grande mulher com M gigante que você é; e que a cada dia mais me surpreende, ensina e encanta.
    Amo vocÊ!

    ResponderExcluir