sexta-feira, 23 de julho de 2010

O que é o amor???


Hoje acordei com vontade de falar de amor. Aliás, tenho pensado muito nisso nos últimos tempos, pois tantas pessoas confundem o seu teor e não entendem que existem vários tipos de amor e de se amar.

É difícil traduzir em palavras o amor, pois é o sentimento mais sublime que existe, é grande, forte, poderoso, ao mesmo tempo que é singelo, simples, doce. Ele se externa de várias formas e intensidades.

A amizade é uma forma de amor. É o doar de ombro, é o compartilhar momentos alegres, é apoiar nos momentos de dor, é a torcida por uma nova conquista, é estar presente mesmo estando distante, é o participar da vida do outro, é o bom conselho no momento certo, é o puxão de orelha que só um amigo de verdade tem condições de dar.

A saudade é uma forma de amor. É a vontade de estar junto, é o relembrar de fatos, pessoas e lugares que nos marcaram a alma, é a nostalgia de reviver coisas boas, é o suspirar por não ter aquilo ou aquele (a) naquela hora, é a valorização das coisas simples da vida, instantes mágicos que se eternizam dentro de nós.

O namoro é uma forma de amor. É o dividir a vida, é atração dos corpos, é o beijo na boca, é o andar de mãos dadas, é o conhecer do outro, é um compartilhar de momentos, é o somar de novos amigos, é o gostar do desconhecido, é a descoberta diária, é o querer estar perto e talvez planejar uma união futura.

O casamento é uma forma de amor. É a concretização de sonhos sonhados juntos, é a vontade de constituir uma família, é a renúncia, é a parceria real, é o abrir mão de si mesmo em prol do outro, é o compartilhar a vida, é o amor que mais deve ser cuidado para que não se machuque o amor a ponto de seus tripulantes quererem abandonar o barco.

A paixão é uma forma de amor, embora muitos discordem. Ela é o lado mais intenso do amor, vem arraigada com um sentimento de posse, vontade de querer aquela pessoa só pra você, querer transar o tempo todo, abraçar, beijar, sugar. O objeto desse amor não sai do pensamento, o coração dói de saudade. Eu diria que é o lado negro do amor, porque apaixonados são capazes de matar ou morrer por amor, porque é o amor passional. É fogo, é insanidade, é algo que foge ao nosso controle.

O sexo é uma forma de amor. É a entrega, é a sede, é a fome. É o sincronizar de dois corpos e duas almas. É um lambuzar-se no prazer do outro. É um toque de pele que dá choque, que arrepia, ensandece, provoca calafrios, que te leva ao céu, te faz molhar, te provoca suspiros, que aquece o corpo e acelera o coração.

E assim, entre tantas formas que o amor se apresenta, vamos vivendo a vida, tentando entender, querendo cada vez mais amar e ser amado. Porém temos a imbecilidade de querer ser amado como amamos. Esse é o maior engano do amor, porque coração é terra que ninguém anda e, cada um, ama como pode, como sabe, como aprendeu, pois só podemos dar o que temos.

Tudo que posso constatar é que o amor é único, sublime e incomensurável. Não dá pra ser descrito, apenas sentido no coração. E sentindo amor por tantas pessoas, de diversas formas, em intensidades diferentes, vamos caminhando pela vida, nos embebedando dos amores de homens, mulheres, filhos, família, amigos e tantos outros.

Ah, como é bom amar!!!


"Para quem bem viveu o amor
Duas vidas que abrem
Não acabam com a luz
São pequenas estrelas
Que correm no céu
Trajetórias opostas
Sem jamais deixar de se olhar

É um carinho guardado no cofre
De um coração que voou
É um afeto deixado nas veias
De um coração que ficou
É a certeza da eterna presença
Da vida que foi
Na vida que vai
É a saudade da boa
Feliz, cantar

Que foi, foi, foi
Foi bom e pra sempre será
Mais, mais, mais
Maravilhosamente amar

(Texto: Taiza Renata, Música: Feliz, Composição: Gonzaguinha, Inspiração: Mau)

Nenhum comentário:

Postar um comentário