quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Minhas entregas



As minhas entregas são definitivas no agora para sempre hoje. 
Eu me entorno no que faço, viro a coisa inteira, não tomo a atitude, me torno a própria. 
Eu não escolhi a minha intensidade, ela veio com muita personalidade e uma quase autonomia. 
Não pretendo o gozo, busco o Nirvana. 
Sou flexível ou radical por uma questão de experiência. 
Eu sobrevivo às frustrações e me responsabilizo pelas minhas desistências. 
A minha adaptabilidade foi conquistada através de uma profunda reflexão, o que não quer dizer que eu haja por conveniência se não estiver em consonância com a minha essência. 
Pode parecer arrogância: tantas coisas se parecem com o que não são. 
Não abrevio minhas emoções, não interrompo meus desejos, sou objetiva nas minhas querências. 
Não banalizo minhas angústias e sofro como qualquer ser humano por questões tão corriqueiras como rejeição e todas estas coisas que nos fazem olhar para a vida, por um instante, com certo cansaço e desânimo. 

Mas corro os riscos e banco a minha história, pois a escrevo e reescrevo quantas vezes for preciso.

Por isso, antes de me julgar, faça as pazes contigo!!!


(Texto de Marla de Queiroz)

Nenhum comentário:

Postar um comentário