sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Aprendizados


Aprendi a seguir em frente, mesmo com todos os motivos para estacionar. 
Aprendi a me respeitar, inclusive quando os outros não fazem o mesmo comigo. 
Aprendi que confiança não se compra, que o Amor é gratuito e que nem tudo que reluz é Ouro. 
Aprendi a ler nas entrelinhas e a ouvir a voz do meu Coração, mesmo quando os fatos apontam o oposto. 
Aprendi a Amar com toda minha alma, mesmo tendo que assumir todos os riscos. 
Aprendi a cair, a levantar e o melhor, aprendi a me erguer mais forte após cada tombo. 
Aprendi que palavras belas podem estar vazias de sentimentos e que todas as palavras não bastam quando o que quero expressar é impossível verbalizar. 
Aprendi, acima de tudo, a olhar para mim com um Amor maior e jogar esse amor no Universo todos os dias para colher os melhores frutos, sempre.

(Texto de E. Tozzo)

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Sigo meu caminho


O que me importa é não ferir alguém que não mereça,
mas sinto muito se não me entenderem.
Se ficarem magoados pela minha maneira de ser.
Infelizmente, não existe ainda quem a todos agrade,
e eu não quero ser a exceção,
nem faço questão.

Vivo cada dia como se realmente fosse um presente.
Tendo a chance de transformar situações,
rumo a certeza de que posso ser feliz.
Por isso sigo, persisto e não me detenho.
É a minha intuição me guiando mais uma vez
Não desejo nada de ninguém, nem invejo.

Apenas sigo meu caminho, do meu jeitinho.
Para muitos, um carinho,
para outros, um adeus.
Pra mim, sempre a certeza de que não ando só,
tenho comigo, a companhia de Deus.

Desejo o melhor, porque o melhor está chegando pra mim.
E eu só posso pensar assim…


(Texto de Paulo R.)

terça-feira, 9 de setembro de 2014

A dança dos opostos


Para chegar ao objetivo,
É preciso iniciar a caminhada.
Para deixar o novo surgir,
É preciso descartar o velho.
Para se adquirir mais conhecimento,
É necessário admitir que algo não se sabe.
Para se aprender a nadar,
É preciso mergulhar.
Para se aprender a vencer,
É preciso passar pela derrota.
Para se aprender a sentir prazer,
É necessário sentir dor.
Para se aprender o valor da liberdade,
É preciso ficar preso.
Para se aprender a ganhar,
É preciso perder.
Para se entender o valor da caridade,
É preciso perder nossas posses.
Para ver e estar na luz,
É necessário passar pela escuridão.
Para ver um dia de sol raiar no horizonte,
É necessário atravessar a friagem da madrugada.
Para se aprender a viver,
É preciso passar pela morte.
A vida é a dança dos contrários,
É no paradoxo da existência onde reside,
O fértil terreno do nosso despertar.

(Desconheço a autoria.)

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Um dia por vez - 04/09/2014 - A vida precisa de pausas



Hoje está sendo um dia bastante atípico! Mas um atípico bom, diferente, prazeroso.
Sim, porque ontem também um dia atípico, mas foi arrastado, penoso, difícil. Prefiro o hoje!!!
Ontem, meu filho número 2 disse que não teria aula. Logo pensei que também não levaria o número 3, já que os dois estudam na mesma escola. Daí pensei que iríamos só eu e o número 1. Mas aí pensei: “Pôxa, se eu disser ao número 1 que amanhã ele não vai à aula porque eu defini assim, isso vai deixá-lo feliz! E daí, não levando-os, eu não vou também!” E foi exatamente assim.
Hoje os despertadores foram desligados e todos acordamos a hora que queríamos. E passamos a manhã juntos, em casa. Um no joguinho, outro no violão, outro no celular, mas juntos... no mesmo ambiente, de pijama, conversando, trocando figurinhas e nos divertindo. Ah, como eu amo isso! Tomamos café todos juntos, coisa que só acontece raramente aos finais de semana e jamais durante a semana, por causa dos afazeres diários, sempre cheios de horários marcados. Por isso, faço questão de estarmos no almoço todos juntos. Acho importante esse momento.
Mas então! Voltando ao dia atípico... Meu Deus, e agora??? Os meninos perderam aula em pleno setembro, eu não vou almoçar em casa hoje (vou sair com amigas), o tempo que eu tinha para render as coisas da faculdade (textos pra ler, trabalhos pra concluir, resenhas pra fazer...) usei conversando fiado com meus filhos. Tudo bem que ainda fui assistir uma aula na faculdade, mas só porque tinha feito um compromisso e é preciso estar atento se nossos momentos de “aparente loucura” não vão prejudicar ninguém, pois a palavra de ordem continua sendo respeito.
Às vezes gosto dessas pausas! Esses momentos de jogar tudo pro alto e me permitir um pouco mais, permitir-me deixar um pouco as obrigações diárias e poder fazer um dia mais feliz. Creio que momentos assim é que valem a vida valer o que é e dias assim, momentos compartilhados com as pessoas que amo, me reabastecem imensamente.
Claro que não dá pra fazer isso todos os dias. São atrevimentos para “de vez em quando”. Mas são muito preciosos.
No fim do dia, ainda teremos outro encontro, mais uma vez com meus filhos juntos, pra encontrar pessoas também muito amadas: os familiares. Tenho certeza que será também de grande valia, mais momentos prazerosos, mais um “sair da rotina” e mais momentos para serem gravados no caderninho da alegria e satisfação.
Pois é! Estamos em plena quinta-feira. Amanhã ainda é preto na folhinha. E nesse semestre meu sábado também está sendo dia útil. O bom é pensar que hoje já é véspera de fim de semana e que a sexta e o sábado serão mais leves, pois estou cheia de boa energia.
Acho que, embora não pareça, tive mesmo uma boa ideia. Afinal, a vida precisa de pausas.

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Minhas entregas



As minhas entregas são definitivas no agora para sempre hoje. 
Eu me entorno no que faço, viro a coisa inteira, não tomo a atitude, me torno a própria. 
Eu não escolhi a minha intensidade, ela veio com muita personalidade e uma quase autonomia. 
Não pretendo o gozo, busco o Nirvana. 
Sou flexível ou radical por uma questão de experiência. 
Eu sobrevivo às frustrações e me responsabilizo pelas minhas desistências. 
A minha adaptabilidade foi conquistada através de uma profunda reflexão, o que não quer dizer que eu haja por conveniência se não estiver em consonância com a minha essência. 
Pode parecer arrogância: tantas coisas se parecem com o que não são. 
Não abrevio minhas emoções, não interrompo meus desejos, sou objetiva nas minhas querências. 
Não banalizo minhas angústias e sofro como qualquer ser humano por questões tão corriqueiras como rejeição e todas estas coisas que nos fazem olhar para a vida, por um instante, com certo cansaço e desânimo. 

Mas corro os riscos e banco a minha história, pois a escrevo e reescrevo quantas vezes for preciso.

Por isso, antes de me julgar, faça as pazes contigo!!!


(Texto de Marla de Queiroz)

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Relacionamentos


Sempre acho que namoro, casamento, romance tem começo, meio e fim. Como tudo na vida.
Detesto quando escuto aquela conversa:
- Ah,terminei o namoro...
- Nossa,quanto tempo?
... - Cinco anos... Mas não deu certo...acabou
- É... não deu...???
Claro que deu! Deu certo durante cinco anos, só que acabou.
E o bom da vida é que você pode ter vários amores.
Não acredito em pessoas que se complementam. Acredito em pessoas que se somam.
Às vezes, você não consegue nem dar cem por cento de você para você mesmo, como cobrar cem por cento do outro?
E não temos esta coisa completa.
Às vezes ele é fiel, mas não é bom de cama.
Às vezes ele é carinhoso, mas não é fiel.
Às vezes ele é atencioso, mas não é trabalhador.
Às vezes ela é malhada, mas não é sensível.
Tudo nós não temos.
Perceba qual o aspecto que é mais importante e invista nele.
Pele é um bicho traiçoeiro.
Quando você tem pele com alguém, pode ser o papai com mamãe mais básico; que é uma delícia.
E às vezes você tem aquele sexo acrobata, mas que não te impressiona.
Acho que o beijo é importante... e se o beijo bate... se joga... se não bate... "Mais um Martini, por favor!"... e vá dar uma volta.
Se ele ou ela não te quer mais, não force a barra. O outro tem o direito de não te querer.

Não lute, não ligue, não dê pití.
Se a pessoa tá com dúvida... problema dela! Cabe a você esperar ou não.
Existe gente que precisa da ausência para querer a presença.
O ser humano não é absoluto. Ele titubeia, tem dúvidas e medos mas se a pessoa REALMENTE gostar, ela volta.
Nada de drama!
Que graça tem alguém do seu lado sob chantagem, gravidez, dinheiro, recessão de família?
O legal é alguém que está com você por você.
E vice versa.
Não fique com alguém por dó também.
Ou por medo da solidão.
Nascemos sós. Morremos sós. Nosso pensamento é nosso, não é compartilhado.
E quando você acorda, a primeira impressão é sempre sua, seu olhar, seu pensamento.
Tem gente que pula de um romance para o outro.
Que medo é este de se ver só, na sua própria compania?
Gostar dói.
Você muitas vezes vai ter raiva, ciúmes, ódio, frustração. Faz parte.
Você namora um outro ser, um outro mundo e um outro universo
E nem sempre as coisas saem como você quer.
A pior coisa é gente que tem medo de se envolver.
Se alguém vier com este papo, corra, afinal, você não é terapeuta.
Se não quer se envolver, namore uma planta. É mais previsível.
Na vida e no amor, não temos garantias.
E nem todo sexo bom é para namorar,

Nem toda pessoa que te convida para sair é para casar,
Nem todo beijo é para romancear,
Nem todo sexo bom é para descartar. Ou se apaixonar. Ou se culpar.
Enfim... quem disse que ser adulto é fácil?


(Texto de Arnaldo Jabor)