quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Promessas no altar



… Promete saber ser amiga(o) e ser amante, sabendo exatamente quando devem entrar em cena uma e outra, sem que isso lhe transforme numa pessoa de dupla identidade ou numa pessoa menos romântica? 

Promete fazer da passagem dos anos uma via de amadurecimento e não uma via de cobranças por sonhos idealizados que não chegaram a se concretizar? 

Promete sentir prazer de estar com a pessoa que você escolheu e ser feliz ao lado dela pelo simples fato de ela ser a pessoa que melhor conhece você e portanto a mais bem preparada para lhe ajudar, assim como você a ela? 

Promete se deixar conhecer?

Promete que seguirá sendo uma pessoa gentil, carinhosa e educada, que não usará a rotina como desculpa para sua falta de humor? 

Promete que não falará mal da pessoa com quem casou só para arrancar risadas dos outros? 

Promete que a palavra liberdade seguirá tendo a mesma importância que sempre teve na sua vida, que você saberá responsabilizar-se por si mesmo sem ficar escravizado pelo outro e que saberá lidar com sua própria solidão, que casamento algum elimina? 

Promete que será tão você mesmo quanto era minutos antes de entrar na igreja?

Sendo assim, declaro-os muito mais que marido e mulher: declaro-os maduros. 

(Texto de Mário Quintana)

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Resista



Resista um pouco mais, mesmo que as feridas latejem e que a sua coragem esteja cochilando.


Resista mais um minuto e será mais fácil resistir aos demais.

Resista mais um momento, mesmo que a derrota seja um imã; mesmo que a desilusão caminhe em sua direção.

Resista mais um pouco, mesmo que os invejosos digam para você parar; mesmo que a sua esperança esteja no CTI.

Resista mais um momento, mesmo que você não possa avistar ainda a linha de chegada, mesmo que as inseguranças brinquem de roda a sua volta.

Resista um pouquinho mais, mesmo que a sua vida esteja sendo pesada como a consciência dos insensatos e você se sinta indefeso como um pássaro de asas quebradas.

Resista porque o último instante da madrugada é sempre aquele que puxa a manhã pelo braço e essa manhã, bonita, ensolarada, sem algemas, nascerá para você em breve, desde que você resista.

Resista, porque eu estou sentada na arquibancada do tempo torcendo ansiosa para que você resista e ganhe de Deus o troféu que merece: a felicidade.


(Texto de Ana Jácomo)

domingo, 23 de setembro de 2012

Decida brilhar!


Se você for uma pessoa que brilha, é bem provável que ao longo do caminho encontre pessoas ou circunstâncias que tentarão apagar seu brilho.

Mas, não se intimide! Brilhe assim mesmo!

Nada poderá ofuscar a luz que habita em você!

É dom de Deus!

É graça!

Brilhar é fazer das noites sombrias, versos e poesias.

Brilhar é servir essa mesma poesia em uma bandeja, enfeitada com morangos e cerejas.

Brilhar é juntar o rio de lágrimas desprezadas ao chão e lançá-las a um lugar muito mais alto, onde formam-se as chuvas para o próximo verão.

Brilhar é doar-se por amor, oferecer as mãos junto com o coração.

Brilhar é saber esperar o inverno passar, com o coração aquecido de esperança.

Brilhar é espalhar pétalas no caminho, sem se preocupar com quem vai passar, ou não...

Brilhar é voltar atrás e corrigir o tráfego, reconhecer que faltou barro pra sustentar a construção.

Brilhar é ser diferente!

É ter alma de criança!

É ter mel dentro de si, é brincar com os bem-te-vis... Seja no inverno... Seja no verão!


(Texto de Arnalda Rabelo)

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Últimas palavras a um Grande Homem



O Grande Homem

Mantém o seu modo de pensar independentemente da opinião pública.
É tranqüilo, calmo, paciente, não grita e nem se desespera.
Pensa com clareza, fala com inteligência, vive com simplicidade.
Não é do passado e nem do futuro, mas vive o presente.
Sempre tem tempo.
Não despreza nenhum ser humano.
Causa a impressão dos vastos silêncios da natureza: o CÉU.
Não é vaidoso.
Como não anda à cata de aplausos, jamais se ofende.
Possui sempre mais do que julga merecer.
Está sempre disposto a aprender, mesmo das crianças.
Vive dentro do seu próprio isolamento espiritual, aonde não chega nem o louvor nem a censura.
Não obstante, seu isolamento não é frio: Ama – Sofre – Pensa – Compreende.
O que você possui, dinheiro, posição social, nada significam para ele.
Só lhe importa o que você é.
Despreza a opinião própria tão depressa verifica o seu erro.
Não respeita usos estabelecidos e venerados por espíritos tacanhos.
Respeita somente a Verdade.
Tem a mente de homem e coração de menino.
Conhece-se a si mesmo, tal qual é, e conhece a Deus.”


Não sei quem escreveu este poema, mas achei muito pertinente usá-lo, pois se eu fosse definir Mauro Guedes seria como um Grande Homem.

Ele chegou em nossas vidas de uma forma simples, com sua maneira discreta de ser, como quem nada quer.

É claro que com aquela beleza toda e olhos cor do mar, não passava despercebido por ninguém.

Com seu jeito calmo de ser, deveria ser quase imperceptível a sua presença, mas seu senso de humor sempre presente nos fazia quere-lo mais perto, mais e mais.

E foi com esse jeitinho que Mauro Guedes foi fazendo morada em nossos corações. E moradas enormes, com jardins muito floridos, por sinal.

Lembrá-lo e falar de suas qualidades é extremamente prazeroso e eu poderia ficar aqui horas, adjetivando cada uma de suas virtudes. Fechando os olhos, posso até ver o seu sorriso e suas tiradas inteligentes quando menos se espera.

Defeitos? Tinha sim. Quem não os tem? Mas sua maneira de ser e de viver verdadeiramente, construindo alicerces sólidos, só nos faz lembrar do grande guerreiro que foi. Lutou sempre, com unhas e dentes, por sua família, seu trabalho e sua saúde.

Não me lembro de vê-lo seguindo muito profundamente alguma religião, mas sei que foi um homem de fé. Aliás, esse sim era um homem de Deus. Por onde quer que ele passasse, deixava uma paz extasiante.

Um grande amigo. Quem teve a honra de ser amigo dele, define-o assim e terá grandes e agradáveis recordações e lições sobre amizade. E aqui, não falo só dos amigos, mas dos filhos, irmãos, sobrinhos, genros, noras, netos.

Khalil Gibran disse que “a simplicidade é o último degrau da sabedoria” e esse homem, muito sábio, soube levar a vida com simplicidade e nos ensinar onde estão realmente as grandes riquezas da vida.

E de tantas virtudes, de tantos bom momentos, ele vai deixar muita saudade.

Saudade é o amor que fica”, disse o poeta. Esse amor vai continuar florindo por cada lugar que ele passou, por cada vida que ele tocou, crescendo dentro de nós, a cada dia, através de suas lembranças, os momentos vividos juntos e o legado de vida que ele nos deixou.

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Pedaços


Um pedaço de mim reclama tempo para viver, outro assume a responsabilidade e quer apenas trabalhar.

Um pedaço de mim quer viver um grande amor, e entrega-se sem medidas, o outro tem medo, já sofreu decepções e por ele, nunca mais me apaixonaria.

Um pedaço de mim é brincalhão e vive rindo, outro é triste, tem momentos de puro isolamento.

Um pedaço de mim quer vencer, é pura euforia. Outro quer apenas viver, deixar a vida me levar...

Um pedaço de mim sofre com a dor dos outros, outro quer que eu cuide apenas das minhas dores, que não são poucas, já que vivo em conflito... 

Entre o que eu sou e o que eu gostaria de ser, entre o que tenho e aquilo que gostaria de ter, e, se um pedaço de mim sente-se satisfeito, o outro grita por novidades, por consumo, por gente, por beijos e amores inconstantes.

Nesse turbilhão, acordo todos os dias, tentando unir esses dois lados que coexistem em mim, e que por mais diferentes que sejam, ainda assim, só querem mesmo, o melhor para mim.

Hoje eu junto o ser e o querer, o que fui e o que desejo ser, para cumprimentar a vida, abraçar meus sonhos e pedir passagem simplesmente para ser feliz.


(Texto de Paulo Roberto Gaefke)

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

O amanhã não nos pertence


Viver o dia-a-dia é a mais natural e a mais difícil de todas as coisas. Contentar-se do presente, do aqui e do agora exige de nós um grande auto-controle dos sentimentos e emoções.

As coisas que nos fizeram vibrar no passado vibram ainda hoje, mas de maneira menos intensa, com gosto de saudosismo. Passou e ficou de forma leve, como as lembranças das férias ou das primei
ras batidas incontroláveis do coração.

As coisas futuras podem nos alegrar (uma felicidade esperada) ou nos fazer sofrer intensamente, antes mesmo que o esperado chegue, se chegar.

Não controlamos o que passou, porque aconteceu e não sabemos voltar atrás e não controlamos o futuro, apesar de tentarmos escolher minuciosamente os bons caminhos.

O ontem faz parte definitivamente das nossas vidas, nossa história e nossas entranhas e não podemos negá-lo, mas o amanhã não nos pertence. Ele é apenas uma possibilidade, um sonho ou um pesadelo, uma nuvem que se aproxima mas que pode, com um sopro do vento, ir em outras direções.

O hoje sim é o que temos de real e nos pertence de todo.

Antecipar alegrias e vitórias faz-nos bem, se mantemos os pés firmes no chão; antecipar perdas e partidas provoca-nos dores inúteis e frequentemente maiores ainda que o que seriam, pois já pela antecipação se multiplicam.

Devemos aprender a acolher o hoje e fazer dele o melhor que podemos, com todos os meios que tivermos. Sermos felizes, fazermos outros felizes, nos bastando de cada segundo oferto como um presente Divino que não se oferecerá uma segunda vez.

(Texto de Letícia Thompson )

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

A vida é uma escolha



Muitas pessoas reclamam da correria de suas vidas. Acham que têm compromissos demais e culpam a complexidade do mundo moderno. Entretanto, inúmeras delas multiplicam as tarefas sem real necessidade.

Viver com simplicidade é uma opção que se faz. 

Muitas das coisas consideradas imprescindíveis à vida, na realidade, são supérfluas. A rigor, enquanto buscam coisas, as criaturas se esquecem da vida em si. Angustiadas por múltiplos compromissos, não refletem sobre sua realidade íntima. Olvidam do que gostam, não pensam no que lhes traz paz, enquanto se sufocam em buscas vãs.

De que adianta ganhar o mundo e perder-se a si próprio?

Se a criatura não tomar cuidado, ter e parecer podem tomar o lugar do ser. 

É possível reduzir a própria agitação, conter o consumismo e redescobrir a simplicidade. 

O simples é aquele que não simula ser o que não é, que não dá demasiada importância à sua imagem, ao que os outros dizem ou pensam dele.

A pessoa simples não calcula os resultados de cada gesto, não tem artimanhas e nem segundas intenções. Ela experimenta a alegria de ser, apenas. 

Não se trata de levar uma vida inconsciente, mas de reencontrar a própria essência e com virtude.

A simplicidade não ignora, apenas aprendeu a valorizar o essencial. 

Os pequenos prazeres da vida, uma conversa interessante, olhar as estrelas, andar de mãos dadas, tomar sorvete... Tudo isso compõe a simplicidade do existir. É difícil ter felicidade sem tempo para fazer o que se gosta.

É bom e importante trabalhar, estudar e aperfeiçoar-se. Progredir sempre foi uma necessidade humana. Mas isso não implica viver angustiado, enquanto se tenta dar cabo de infinitas atividades. Se o preço do sucesso for ausência de paz, talvez ele não valha a pena.

As coisas sempre ficam para trás, mais cedo ou mais tarde. Mas há tesouros imateriais que jamais se esgotam. As amizades genuínas, um amor cultivado, a serenidade e a paz de espírito são alguns deles.

Preste atenção em como você gasta seu tempo. Analise as coisas que valoriza e veja se muitas delas não são apenas um peso desnecessário em sua existência.

Experimente desapegar-se dos excessos. Pense nisso.

(Desconheço a autoria) 

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Saudade




Saudade é solidão acompanhada, 
é quando o amor ainda não foi embora, 
mas o amado já...

Saudade é amar um passado que ainda não passou,
é recusar um presente que nos machuca,
é não ver o futuro que nos convida...

Saudade é sentir que existe o que não existe mais...

Saudade é o inferno dos que perderam,
é a dor dos que ficaram para trás,
é o gosto de morte na boca dos que continuam...

Só uma pessoa no mundo deseja sentir saudade:
aquela que nunca amou.

E esse é o maior dos sofrimentos:
não ter por quem sentir saudades,
passar pela vida e não viver.

O maior dos sofrimentos é nunca ter sofrido.

(Pablo Neruda)

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Solte-se!



Estamos vivendo dias em que as pessoas tem medo de se envolver. 

Diante de uma situação, quanto menos envolvidas elas estiverem melhor. 

Trocam verdades por frases decoradas, sentimentos verdadeiros por jogos de sedução.

E em lugar de se envolverem preferem ficar jogando umas com as outras, preferem esconder, dissimular e falar muito pouco o que realmente sentem. Não entendo isso. 

Alguém some durante 
um fim de semana inteiro, só porque acha que ligar pra você dizendo que tem saudades de alguma forma vai fazer com que você perca o interesse nela. Penso o contrário sabe? Gosto de gente que cuida, que se preocupa, que liga, que presta atenção em detalhes e não tem vergonha nenhuma em admitir quando está com saudades, quando gosta ou sente falta.

Gosto de gente de verdade. Que encara a vida sem armações. Gente que é puro sentimento assim como eu! Que não precisa ficar pensando ou calculando demais uma ação.

Às vezes penso comigo mesma que gostaria de ser assim também: não demonstrar sentimentos, nem dar tudo de mim. 

Mas isso não faz parte de mim. Eu gosto é de entrega. Gosto da sensação de ser toda de uma pessoa e sentir que a pessoa é toda minha também. Não tem melhor coisa que você saber que a pessoa esta ali pra você de verdade. E não só porque ela te disse isso, mas porque ela mostrou também. 
Porque falar é fácil, as atitudes é que confirmam. 

De hoje em diante, se entregue, ligue, fale que ama, dance, chore, ouça, faça tudo que quiser fazer. A gente nunca sabe se o amanhã irá chegar. 

Porque não viver uma vida de verdade?

(Desconheço a autoria)

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Começar e continuar...


Muita gente acha que é difícil começar uma caminhada. Pessoalmente penso diferente. Para mim, mas difícil que iniciar é continuar... 

De começos o mundo está cheio: os que começam um casamento, os que começam a abandonar um vício, os que iniciam o aprendizado de uma língua e por ai vai. 

Ir em frente é mais complicado. Exige persistência e muita força de vontade. Requer que nós olhemos para trás com
 sentimento de satisfação pela experiência adquirida e não com remorso ou sensação de arrependimento. 

Que nós tenhamos sonhos, mas que não vivamos de sonhos. 
Que choremos, mas não deixemos as lágrimas turvarem nossa visão. Que escutemos os outros, mas que não desistamos de fazer o que julguemos certo, por causa deles. Tudo isso de tão simples parece coisa de criança. E é mesmo! 

Antes de aprendermos a andar precisamos: cair muitas vezes, nos machucar, chorar, ser motivo de riso, e nem por isso tudo desistimos ou deixamos de levantar. 

Nisso temos muito que aprender com as crianças. Elas "sabem" que antes de dar os primeiros passos, é preciso ficar de pé, e antes disso é preciso engatinhar. Que precisamos das pessoas para servir de apoio, mas, que elas não são bengalas e nós não somos aleijados. Se todas as pessoas soubessem disso teríamos bem menos fracassados no mundo. Gente que poderia atingir grandes coisas, mas que desiste no meio do caminho. 

Diante disso só temos a agradecer a predisposição para certos aprendizados na infância. Se fosse o contrário, muita gente hoje estaria numa cadeira de rodas.

(Vera Lúcia Fernandes Miceno)