domingo, 20 de novembro de 2011

"Pior seria se pior fosse..."




Há pouco tempo ouvi essa expressão e achei muito engraçada. De tão óbvia, chega a ser banal. Eu, como adoro as idiotices que a vida me apresenta, porque sei que por detrás da idiotice vive uma certa liberdade de expressão e também que tudo tem uma razão de ser (até as bobagens), costumo usar com frequência agora.

O fato é que as coisas ou situações e até mesmo pessoas, por mais que nos intriguem por sua obscuridade, ainda podem ser piores.

As decepções são frutos de nossas expectativas ilusórias e, quando nos frustramos, quando o cenário imaginado não é como esperávamos, pensamos ser ali o fundo do poço, a tela mais feia, a destruição mais perfeita. Então, como forma de consolo, pensamos que poderia ser pior.

E sabe que poderia mesmo?

Cometemos o grande erro de olhar para uma pessoa de forma carinhosa, respeitamos, acreditamos que ela seja uma pessoa dentro dos padrões de conduta esperado, aprendemos a gostar e, por mais que a própria pessoa nos dê milhares de sinais de alerta mostrando que não é como pensamos, insistimos em acreditar em nossas ilusões...

Muitas vezes, vivemos situações que nos prendem, nos incomodam, nos sufocam e, mesmo assim, achamos ser a situação ideal, seja porque nos prendemos aos valores do senso comum, seja porque estamos sempre esperando melhoras, mas continuamos a nos permitir situações inusitadas...

Quantos relacionamentos são sonhados, imaginados, pintados com tinta cor de rosa, por mais que não nos sintamos felizes, por mais que seja notória a presença da infelicidade e exige um esforço imenso para que as pessoas ao redor possam olhar tudo com os olhos do relacionamento que esperamos...

Chega um momento que o caldo entorna, que o saco enche e que é preciso dar o grito de liberdade, tirar as amarras que nós mesmos impomos a nós próprios. É preciso muita coragem para fazê-lo porque dói, dilacera e, muitas vezes, sangra. E tudo se transforma em escuridão. Parece então não haver mais nada, nem situação, nem pessoa, nem sentido.
De repente, o tempo vai passando, a vida nos levando e, lá ao longe enxergamos uma pequena luz. E como uma corda salvadora que nos é jogada no buraco escuro, ouvimos e pensamos coisas do tipo: “poderia ser pior se...” e damos uma desculpa.

A verdade é que sempre pode ser pior. Algumas pessoas, por piores que se mostrem, podem se muito piores; as situações, por mais que aflijam, podem ser enlouquecedoras; os relacionamentos, por mais penosos, podem ser fatais.

Mas a luz sempre existe, só basta a coragem de enxergar a vida como ela realmente é.

Se aquela pessoa não é do seu agrado, converse. Se continuar, se afaste por um tempo. Na insistência da perversão, suma de vez. Ela nada há de somar para a sua vida.

Se aquela situação não muda, mude você e tudo em volta começa a se transformar também. Se não for possível, existem milhares de situações muito melhores à sua espera em outro lugar. Tá esperando o que pra tomar posse do que te faz feliz?

Se um relacionamento está defasado, converse. Se as coisas continuam piorando, lute por ele com todas as suas forças. Mas, se nem assim, a coisa andar, seja grato aos aprendizados e parta pra outra de cara limpa e coração vazio, apto por ser preenchido novamente por alguém que mereça o seu amor e dedicação.

E, acima de tudo, respeite a lei da vida que nunca erra, nunca falha, nunca nos coloca em lugares, situação ou contato com pessoas que não vão nos ajudar de alguma forma. A vida é um constante aprendizado e tudo que nos vem, vem por alguma razão melhor.

Então, sugiro uma outra expressão que acabo de inventar, tão boba como a “pior seria se pior fosse”, mas muito mais positiva e, portanto, prefiro muito mais: “melhor será o que melhor já é”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário