segunda-feira, 30 de maio de 2011

Suspiro de felicidade



Se fosse dar um nome para esse momento, essa manhã ou esse dia, eu daria o nome de Suspiro de Felicidade.

Suspiro. Um pequeno momento, um instante rápido e passageiro. Mas algo que se sente de verdade, que existe, que fluidifica, que limpa.

Felicidade. Sentimento mais procurado por todos e, talvez, o menos encontrado porque as pessoas costumam procurar em lugar longe quando ela habita dentro de cada um. Sensação de plenitude, de paz.

Meu pai sempre usa esse termo quando estamos reunidos em família, naquele cenário bem patriarcal: ele e minha mãe, sentados numa mesa grande, rodeados pelos filhos, noras, genro, netos e netas (que sentam e levantam inúmeras vezes, acompanhando o movimento da idade), comendo, bebendo, rindo e conversando. Nesses momentos, depois de horas passadas ele suspira e diz: “Sabe o que é isso pra mim? Suspiro de felicidade.”

E é esse suspiro de felicidade que me acompanha hoje. Se perguntar o motivo, não saberia te responder. Eu diria que não há motivo nenhum. Ou talvez diria que serão vários os motivos: por estar na minha cidade, pelo céu estar tão azul, pela música que toca no som do meu carro me motivar, por me sentir disposta, por voltar a malhar, por ser feliz, por ser grata à vida, por ter uma família maravilhosa que, por mais percalços que existam, não trocaria por nenhuma... tantos motivos.

Então começo a me observar. Minha roupa hoje é jeans bem azul e uma camisa rosa Pink, que se vê de longe. Azul = tranqüilidade (alma leve, suspiros aliviados). Rosa Pink = muito amor (gratidão, sorriso no rosto, “coração bobo, coração bola, coração balão, coração São João”).

Ontem eu não estava assim. Estava bem, mas com muita ansiedade, muitas resoluções, reuniões de trabalho e rezei muito pra que tudo pudesse dar certo. E deu! Não foi como eu gostaria, foi bem diferente, inclusive. Num primeiro momento, até fiquei chateada, mas depois entendi que eu não tenho controle sobre as coisas e que o melhor acontece pra todos. Aconteceu pra mim, tenho certeza!

Hoje me sinto tão leve, tão solta, tão feliz, tão em paz que resolvi me propor a coisas novas, resolvi me entregar mais à vida, agradecer a ela todos os seus chamados, os quais, em muitos deles, recuo, recuso. Por medo, por proteção a mim mesma!... Hoje não. Quero mais é me jogar, como quem pula de um avião de braços abertos, solto no céu, sem medo da queda, porque sabe que o paraquedas vai se abrir quando você precisar.

A vida tem que ser leve ou nós temos é que dar a leveza necessária. Confiar que tudo sempre dá certo, que as coisas só acontecem porque é bom pra gente, porque de lá virão novos aprendizados que vão te fazer crescer como pessoa, que te promoverão um bem estar futuramente.

Gostaria muito que você, que me lê agora, sentisse esse suspiro de felicidade, que mesmo que dure somente o instante do suspiro, vai te fazer um bem enorme, esvaziar a cabeça, dar leveza à mente e encher o coração de alegria e amor. É tudo que desejo hoje! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário