terça-feira, 14 de setembro de 2010

O amor


Uma pergunta: Quando começa e quando termina um Amor?

Mas, se tem começo e fim, é Amor mesmo?

Dizer eu te amo é fácil... Mas quem pode realmente dizer que ama incondicionalmente, que “ama, sempre amou e sempre vai amar”?

Quem pode afirmar eu te amo, sem receio de errar, ou de ter de voltar atrás depois?

Quem pode dar-se o direito de dizer “eu te amava, mas não te amo mais”? Com que autoridade pode dar-se o direito de diminuir dessa maneira o Amor?

É assim que você vê o Amor? Será que pode mesmo acreditar que o Amor seja algo efêmero?

Pense: o Amor tem começo e fim, ou será que o Amor é algo que, quando existe, existe eternamente?

Disse Vinícius: “Que seja eterno enquanto dure”... Mas, com certeza ele se referia a um amor de verão, a uma paixão, ou algo assim. Mas nunca ao Amor verdadeiro, com “A” maiúsculo. Afinal, nosso “poetinha” soube falar do Amor como ninguém.

O que muitas vezes chamamos de Amor, mas que termina um dia qualquer, não é na verdade o Amor. Pode ser qualquer outra coisa: paixão, bem-querer, conveniência, ilusão, simbiose, dependência, sei lá... Qualquer outra coisa, menos Amor de verdade.

O Amor verdadeiro, sim, é eterno. Aliás, existe Amor que não seja verdadeiro? Se não é verdadeiro, então não é Amor. Amor é Amor e basta!

O Amor tem a dimensão da eternidade e da Criação. Amor é constante, duradouro e legítimo.

Só quem tem um grande Amor sabe dizer o que é o Amor. Mas, mesmo assim, sabe dizer apenas para si mesmo. Porque ninguém consegue explicar aos outros o que é o Amor. O Amor não se define com palavras.

O Amor transcende as épocas, os conceitos, os preconceitos. Transcende até mesmo a própria vida (como a conhecemos) e transcendo o tempo. O Amor não acaba. Vai além da vida e através das vidas.

Não é por acaso que se diz que Deus é Amor. Amor e Deus são dois conceitos que se completam. Uma palavra é sinônimo da outra. Deus é amor e Amor é Deus.

Então, se Deus é infinito e eterno, então o Amor também é infinito e para sempre.

Por isso não pode existir a frase “eu a amava, mas não amo mais”. Isso é apenas justificativa para explicar o término de um relacionamento entre duas pessoas que nunca se amaram de verdade.

Amor é para sempre. Quem ama hoje, já amou ontem e vai amar amanhã e depois, e depois, e depois...

Por isso, sempre que quisermos dizer a alguém “eu te amo”, precisamos ter a consciência de que estamos dizendo “eu te amo, sempre te amei e sempre vou te amar”.

Porque é assim o Amor... É como Deus: eterno!

(Desconheço a autoria)

Um comentário:

  1. Não confundamos amor com deus,amor é um sentimento e deus é uma entidade.Quando o lingüista tenta conceituar sentimentos muito profundos e não definíveis, se enrola todo e começa a misturar galhos com bugalhos.Como ficam os ateus que sentem tanto amor quanto qualquer um? eles não creriam no amor?ou nosso autor desconhecido é tão preconceituoso que acha que os ateus não podem amar?

    ResponderExcluir