terça-feira, 29 de junho de 2010

Niver Ni


Iana (a qual carinhosamente chamo de Ni),

É lógico que eu não poderia deixar de falar umas palavrinhas nessa data tão linda, quando estamos todos aqui reunidos comemorando com grande alegria o seu aniversário de 40 anos. Então resolvi pagar o mico de vir aqui na frente e dizer algumas coisas. Pensando bem, olhando ao redor e vendo essas pessoas vestidas nessas roupas, acho que esse é o menor dos micos da festa.

Vou tentar fazer uma síntese da sua pessoa, se é que isso é possível. Afinal, com esse seu jeitinho sereno e recatado de ser, tenho certeza que pouquíssimas pessoas aqui presentes conhecem seus maiores dons. Sinta-se lisonjeada, prima. Afinal, sem conhecerem você de fato, sei que todos se orgulham de ter você na vida deles e estão muito felizes de poderem marcar presença no dia do seu “nascimento”, afinal, a vida começar aos 40, não é mesmo?

A história é mais ou menos assim...

Era uma vez uma menininha, morena, pequena, olhos grandes. À primeira vista, podia-se dizer: “Essa menina vai dar trabalho!!!” Mas acho que lá no céu, houve algum defeito de fabricação e ela veio com uma personalidade extremamente calma, pacata, uma pessoa meiga, permanente observadora (apesar de nada julgadora), dessas que pouco falam e muito escutam. E aqui aproveito pra dar um conselho: quando essa mulher abrir a boca, parem tudo e não percam a oportunidade de ouvir o que ela tem a dizer, porque ela sempre tem algo de bom pra acrescentar em nossas vidas. Por incrível que pareça, ela sempre acerta o alvo.

Se fosse traduzir a Ni em uma palavra apenas, essa seria SABEDORIA. Quem tem a oportunidade de ser mais próxima dela, sabe do que estou falando. Talvez ela seja do tipo de pessoa que você não apostaria suas fichas, porque uma coisa que ela nunca gostou foi de “aparecer”, se fazer notar tal como é.

Mas Ni tem o dom de saber ouvir e de saber falar. Só abre a boca pra dizer o que é estritamente necessário, falando com doçura e sendo objetiva, e aí dá seu recado direitinho e, quem puder, que aproveite, porque ela é certeira.

Outra palavra para traduzir a Ni seria PAZ, porque é exatamente isso que sentimos quando estamos ao seu lado. Ela é uma mulher serena, tranqüila, fala e age com complacência. Sabe que a vida tem o seu ciclo e que este deve ser respeitado, pois tudo tem sua hora e sua função para acontecer. Ela sabe que as adversidades sempre vêm para somar. Então, nunca reclama. Apenas acata e observa, se preparando sempre para um futuro melhor que está à sua espera.

Com a Ni aprendi muito sobre ESPIRITUALIDADE, porque podemos sentir nela a presença constante de Deus. Não só nela, mas na vida dela. Ela reconhece que existe um grande mestre que a acompanha sempre e que, se preciso for, a carrega no colo. Então, sua religião se tornou o AMOR. Fala e age sempre com amor e por amor.

Muitos outros são os seus atributos, pois é uma pessoa como poucas que conheço, pois já nasceu com tantas virtudes e que não se cansa de buscar ser, a cada dia, ainda melhor.

Boa filha, irmã carinhosa, mãe dedicada, sobrinha querida, amiga de todas as horas, excelente profissional. E assim, no quieto, ela vai deixando sua marca.

Com esse jeitinho de gatinha manhosa, que aparenta tanta mansidão, dessas que passam o dia lambendo as patinhas, ela vai enganando muito gente. Essa mulher por dentro é uma leoa, pois é firme, determinada, sabe o que quer e corre atrás.

Ela não perde o foco. Sabe que na lei da selva, assim como na vida, as ações valem mais que palavras. E assim como uma leoa, ela tem o dom e a força de caçar. Sabe que o sustento depende dela, então precisa ser mais rápida que a gazela e, no seu cantinho, quase despercebida, ela vai subindo os degraus da vida e conquistando seu espaço com maestria.

Quando nos demos conta, perguntamos: “Cadê aquela menininha que estava aqui?” E a resposta seria: “Se tornou um mulherão nota dez, passou por você e você nem viu. Agora está lá na frente, muito longe e brilhando intensamente”.


Prima, bem vinda aos 40! Bem vinda à vida. Não tenho conselhos pra te dar, afinal VOCÊ é que é minha grande conselheira. Tenho certeza que, dentro de você, estão todos os melhores conselhos que eu poderia te dar. A única coisa que te peço é que continue focada em você e que nunca se afaste de mim, pois preciso de um pouco do seu “néctar” para que minha vida seja mais feliz. Tenho certeza que esse é um pedido de muitos dos que estão aqui presentes.

Peço também que continue assim. Não. Deixa eu me corrigir. Conserve todas as virtudes que você tem desde que nasceu e aquelas que você somou nesses 40 anos. Mas MUDE, sempre, o tempo todo, porque sabemos que a mudança vem para que possamos atestar o quanto somos maiores que pensamos ser.

Celebre a vida, rompa os obstáculos, acredite em você, realize novos sonhos e seja muito, cada vez mais, MUITO feliz. Nós amamos você!

segunda-feira, 28 de junho de 2010

O Amante


Muitas pessoas têm um amante e outras gostariam de ter um. Há também as que não têm, e as que tinham e perderam. Geralmente, são essas últimas as que vêem ao meu consultório para me contar que estão tristes ou que apresentam sintomas típicos de insônia, apatia, pessimismo, crises de choro, dores etc.

Elas me contam que suas vidas transcorrem de forma monótona e sem perspectivas, que trabalham apenas para sobreviver e que não sabem como ocupar seu tempo livre. Enfim, são várias as maneiras que elas encontram para dizer que estão simplesmente perdendo a esperança.

Antes de me contarem tudo isto, elas já haviam visitado outros consultórios, onde receberam as condolências de um diagnóstico firme: 'Depressão', além da inevitável receita do anti-depressivo do momento.

Assim, após escutá-las atentamente, eu lhes digo que não precisam de nenhum anti-depressivo; digo-lhes que precisam de um AMANTE!É impressionante ver a expressão dos olhos delas ao receberem meu conselho.

Há as que pensam: 'Como é possível que um profissional se atreva a sugerir uma coisa dessas?!' Há também as que, chocadas e escandalizadas, se despedem e não voltam nunca mais. Aquelas, porém, que decidem ficar e não fogem horrorizadas, eu explico o seguinte:

AMANTE é 'aquilo que nos apaixona', é o que toma conta do nosso pensamento antes de pegarmos no sono e é também aquilo que, às vezes, nos impede de dormir.

O nosso AMANTE é aquilo que nos mantém distraídos em relação ao que acontece à nossa volta. É o que nos mostra o sentido e a motivação da vida.

Às vezes encontramos o nosso amante em nosso parceiro. Também podemos encontrá-lo na pesquisa científica ou na literatura, na música, na política, no esporte, no trabalho, na necessidade de transcender espiritualmente, na boa mesa, no estudo ou no prazer obsessivo do passatempo predileto...

Enfim, é 'alguém' ou 'algo' que nos faz 'namorar' a vida e nos afasta do triste destino de 'ir levando'.

E o que é 'ir levando'? Ir levando é ter medo de viver. É o vigiar a forma como os outros vivem, é o se deixar dominar pela pressão, perambular por consultórios médicos, tomar remédios multicoloridos, afastar-se do que é gratificante, observar decepcionado cada ruga nova que o espelho mostra, é se aborrecer com o calor ou com o frio, com a umidade, com o sol ou com a chuva.

Ir levando é adiar a possibilidade de desfrutar o hoje, fingindo se contentar com a incerta e frágil ilusão de que talvez possamos realizar algo amanhã.

Por favor, não se contente com 'ir levando'; procure um amante, seja também um amante e um protagonista. .. DA SUA VIDA!

Acredite: O trágico não é morrer, afinal, a morte tem boa memória e nunca se esqueceu de ninguém. O trágico é desistir de viver. Por isso, e sem mais delongas, procure um amante...

A psicologia, após estudar muito sobre o tema, descobriu algo Transcendental: 'PARA SE ESTAR SATISFEITO, ATIVO E SENTIR-SE JOVEM E FELIZ, É PRECISO NAMORAR A VIDA.'

"A mente cria, o desejo atrai e a fé realiza"

Texto de Jorge Bucay - Psicólogo

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Crônica de Martha Medeiros


Depois de um bom tempo dizendo que eu era a mulher da vida dele, um belo dia eu recebo um e-mail dizendo: 'olha, não dá mais'.
Tá certo que a gente tava quase se matando e que o namoro já tinha acabado mesmo, mas não se termina nenhuma história de amor (e eu ainda o amava muito) com um e-mail, não é mesmo?
Liguei pra tentar conversar e terminar tudo decentemente e ele respondeu: mas agora eu tô comendo um lanche com amigos'.
Enfim, fiquei pra morrer algumas semanas até que decidi que precisava ser uma mulher melhor para ele. Quem sabe eu ficando mais bonita, mais equilibrada ou mais inteligente, ele não volta pra mim?
Foi assim que me matriculei simultaneamente numa academia de ginástica, num centro budista e em um curso de cinema. Nos meses que se seguiram eu me tornei dos seres mais malhados, calmos, espiritualizados e cinéfilos do planeta. E sabe o que aconteceu? Nada, absolutamente nada, ele continuou não lembrando que eu existia.
Aí achei que isso não podia ficar assim, de jeito nenhum, eu precisava ser ainda melhor pra ele, sim, ele tinha que voltar pra mim de qualquer jeito!
Pra isso, larguei de vez a propaganda, que eu não suportava mais, e resolvi me empenhar na carreira de escritora, participei de vários livros, terminei meu próprio livro, ganhei novas colunas em revistas, quintupliquei o número de leitores do meu site e nada aconteceu.
Mas eu sou taurina com ascendente em áries, lua em gêmeos, filha única! Eu não desisto fácil assim de um amor, e então resolvi tinha que ser uma super ultra mulher para ele, só assim ele voltaria pra mim.
Foi então que passei 35 dias na Europa, exclusivamente em minha companhia, conhecendo lugares geniais, controlando meu pânico em estar sozinha e longe de casa, me tornando mais culta e vivida. Voltei de viagem e tchân, tchân, tchân, tchân: nem sinal de vida.
Comecei um documentário com um grande amigo, aprendi a fazer strip, cortei meu cabelo 145 vezes, aumentei a terapia, li mais uns 30 livros, ajudei os pobres, rezei pra Santo Antonio umas 1.000 vezes, torrei no sol, fiz milhares de cursos de roteiro, astrologia e história, aprendi a nadar, me apaixonei por praia, comprei todas as roupas mais lindas de Paris.
Como última cartada para ser a melhor mulher do planeta, eu resolvi ir morar sozinha. Aluguei um apartamento charmoso, decorei tudo brilhantemente, chamei amigos para a inauguração, servi bom vinho e comidinhas feitas, claro, por mim, que também finalmente aprendi a cozinhar. Resultado disso tudo: silêncio absoluto.
O tempo passou, eu continuei acordando e indo dormir todos os dias querendo ser mais feliz para ele, mais bonita para ele, mais mulher para ele.
Até que algo sensacional aconteceu...
Um belo dia eu acordei tão bonita, tão feliz, tão realizada, tão mulher, que eu acabei me tornando mulher DEMAIS para ele.
Ele quem mesmo???

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Sucesso - Nizan Guanaes


O texto que segue abaixo foi escrito para uma formatura da FAAP, por Nizan Guanaes, que foi o paraninfo da turma.

"Dizem que conselho só se dá a quem pede. E, se vocês me convidaram para paraninfo, estou tentado a acreditar que tenho licença para dar alguns. Portanto, apesar da minha pouca autoridade para dar conselhos a quem quer que seja aqui vão alguns, que julgo valiosos.

Meu primeiro conselho:
Não paute sua vida, nem sua carreira, pelo dinheiro. Ame seu ofício com todo o coração. Persiga fazer o melhor. Seja fascinado pelo realizar, que o dinheiro virá como conseqüência.

Quem pensa só em dinheiro não consegue sequer ser nem um grande bandido, nem um grande canalha.
Napoleão não invadiu a Europa por dinheiro. Hitler não matou 6 milhões de judeus por dinheiro. Michelangelo não passou 16 anos pintando a Capela Sistina por dinheiro. E tudo que fica pronto na vida foi construído antes, na alma. A propósito disso, lembro-me de uma passagem extraordinária, que descreve o diálogo entre uma freira americana cuidando de leprosos no Pacífico e um milionário texano.
O milionário, vendo-a tratar daqueles leprosos, disse:
- Freira, eu não faria isso por dinheiro nenhum no mundo.
E ela respondeu:- Eu também não.
Não estou fazendo com isso nenhuma apologia à pobreza, muito pelo contrário. Digo apenas que pensar e realizar tem trazido mais fortuna do que pensar em fortuna.

Meu segundo conselho:
Pense no seu País. Porque, principalmente hoje, pensar em todos é a melhor maneira de pensar em si. Afinal , é difícil viver numa nação onde a maioria morre de fome e a minoria morre de medo. O caos político gera uma queda de padrão de vida generalizada. Os pobres vivem como bichos, e uma elite brega, sem cultura e sem refinamento, não chegam a viver como homens. Roubam, mas vivem uma vida digna de Odorico Paraguassu.

Meu terceiro conselho vem diretamente da Bíblia:
'Seja quente ou seja frio, não seja morno que eu te vomito'. É exatamente isso que está escrito na carta de Laudiceia: Seja quente ou seja frio, não seja morno que eu te vomito, ou seja, é preferível o erro à omissão, o fracasso ao tédio, o escândalo ao vazio . Porque já vi grandes livros e filmes sobre a tristeza, a tragédia, o fracasso. Mas ninguém narra o ócio, a acomodação, o não fazer, o remanso.

Colabore com seu biógrafo. Faça, erre, tente, falhe, lute. Mas, por favor, não jogue fora, se acomodando, a extraordinária oportunidade de ter vivido, tendo consciência de que cada homem foi feito para fazer história.
Que todo homem é um milagre e traz em si uma revolução. Que é mais do que sexo ou dinheiro. Você foi criado para construir pirâmides e versos, descobrir continentes e mundos, e caminhar, sempre, com um saco de interrogações na mão e uma caixa de possibilidades na outra.
Não use Rider, não dê férias a seus pés. Não se sente e passe a ser analista da vida alheia, espectador do mundo, comentarista do cotidiano, dessas pessoas que vivem a dizer: 'eu não disse!', 'eu sabia!'.
Toda família tem um tio batalhador e bem de vida. E, durante o almoço de domingo, tem que agüentar aquele outro tio muito inteligente e fracassado contar tudo que ele faria, se fizesse alguma coisa.
Chega dos poetas não publicados. Empresários de mesa de bar. Pessoas que fazem coisas fantásticas toda sexta de noite, todo sábado e domingo, mas que na segunda não sabem concretizar o que falam. Porque não sabem ansiar, não sabem perder a pose, porque não sabem recomeçar. Porque não sabem trabalhar.
Eu digo: trabalhem, trabalhem, trabalhem. De 8 às 12, de 12 às 8 e mais se for preciso. Trabalho não mata. Ocupa o tempo. Evita o ócio (que é a morada do demônio) e constrói prodígios.
O Brasil, este país de malandros e espertos, da vantagem em tudo, tem muito o que aprender com aqueles trouxas dos japoneses. Porque aqueles trouxas japoneses, que trabalham de sol a sol, construíram, em menos de 50 anos, a 2ª maior megapotência do planeta.
Enquanto nós, os espertos, construímos uma das maiores impotências do trabalho.
Trabalhe! Muitos de seus colegas dirão que você está perdendo sua vida, porque você vai trabalhar enquanto eles veraneiam. Porque você vai trabalhar, enquanto eles vão ao mesmo bar da semana anterior, conversar as mesmas conversas, mas o tempo (que é mesmo o senhor da razão) vai bendizer o fruto do seu esforço, e só o trabalho lhe leva a conhecer pessoas e mundos que os acomodados não conhecerão.
E isso se chama SUCESSO."

terça-feira, 22 de junho de 2010

Mude


Há uma histó ria muito interessante, chamada "O Tesouro de Bresa", onde uma pessoa pobre compra um livro com o segredo de um tesouro.
Para descobrir o segredo, a pessoa tem que decifrar todos os idiomas escritos no livro. Ao estudar e aprender estes idiomas começam a surgir oportunidades na vida do sujeito, e ele lentamente (de forma segura) começa a prosperar.
Depois ele precisa decifrar os cálculos matemáticos do livro. É obrigado a continuar estudando e se desenvolvendo, e a sua prosperidade aumenta.
No final da história, não existe tesouro algum na busca do segredo, a pessoa se desenvolveu tanto que ela mesma passa a ser o tesouro.
O profissional que quiser ter sucesso e prosperidade precisa aprender a trabalhar a si mesmo com muita disciplina e persistência.
Vejo com freqüência as pessoas dando um duro danado no trabalho, porque foram preguiçosas demais para darem um duro danado em si mesmas.
Os piores são os que acham que podem dar duro de vez em quando. Ou que já deram duro e agora podem se acomodar.
Entenda: o processo de melhoria não deve acabar nunca.
A acomodação é o maior inimigo do sucesso!!!
Por isso dizem que a viagem é mais importante que o destino. O que você é acaba sendo muito mais importante do que o que você tem.
A pergunta importante não é "quanto vou ter?", mas sim "no que vou me transformar?, Não é "quanto vou ganhar?", mas sim "quanto vou aprender?".
Pense bem e você notará que tudo o que tem é fruto direto da pessoa que você é hoje. Se você não tem o suficiente, ou se acha o mundo injusto, talvez esteja na hora de rever esses conceitos.
O porteiro d o meu prédio vem logo à mente. É porteiro desde que o conheço. Passa 8 horas por dia na sua sala, sentado atrás da mesa.
Nunca o peguei lendo um livro. Está sempre assistindo à TV, ou reclamando do governo, do salário, do tempo.
É um bom porteiro, mas em todos estes anos poderia ter se desenvolvido e hoje ser muito melhor do que é.
Continua porteiro, sabendo (e fazendo) exatamente as mesmas coisas que sabia (e fazia) dez anos atrás. Aí reclama que o sindicato não negocia um reajuste maior todos os anos.
Nunca consegui fazê-lo entender que as pessoas não merecem ganhar mais só porque o tempo passou. Ou você aprende e melhora, ou merece continuar recebendo exatamente a mesma coisa.
Produz mais, vale mais? Ganha mais. Produz a mesma coisa? Ganha a mesma coisa.
É simples. Os rendimentos de uma pessoa raramente excedem seu desenvolvimento pessoal e profissional. Às vezes alguns têm um pouco mais de sorte, mas na média isso é muito raro.
É só ver o que acontece com os ganhadores da loteria, astros, atletas.
Em poucos anos perdem tudo.
Alguém certa vez comentou que se todo o dinheiro do mundo fosse repartido igualmente, em pouco tempo estaria de volta ao bolso de alguns poucos.
Porque a verdade é que é difícil receber mais do que se é.
Como diz o Jim Rohn, no que ele chama do grande segredo da vida: "Para ter mais amanhã, você precisa ser mais do que é hoje". Esse deveria ser o foco da sua atenção.
Não são precisos saltos revolucionários, nem esforços tremendos repentinos. Melhore 1% todos os dias (o conceito de "kaizen"), em diversas áreas da sua vida, sem parar. Continue, mesmo que os resultados não sejam imediatos e que aparentemente / superficialmente pareça que não está melhorando.
Porque existe, de acordo com Rohn, um outro segredo : “O DE NÃO MUDAR”.
Se você não mudar quem você é, você continuará tendo o que sempre teve.
Devemos fazer as coisas certas e não certas coisas...
Pense nisso...

(Desconheço a autoria)

segunda-feira, 21 de junho de 2010

A impontualidade do amor



Você está sozinho. Você e a torcida do Flamengo. Em frente a tevê, devora dois pacotes de Doritos enquanto espera o telefone tocar. Bem que podia ser hoje, bem que podia ser agora, um amor novinho em folha.

Trimmm! É sua mãe, quem mais poderia ser? Amor nenhum faz chamadas por telepatia. Amor não atende com hora marcada. Ele pode chegar antes do esperado e encontrar você numa fase galinha, sem disposição para relacionamentos sérios. Ele passa batido e você nem aí. Ou pode chegar tarde demais e encontrar você desiludido da vida, desconfiado, cheio de olheiras. O amor dá meia-volta, volver. Por que o amor nunca chega na hora certa?

Agora, por exemplo, que você está de banho tomado e camisa jeans. Agora que você está empregado, lavou o carro e está com grana para um cinema. Agora que você pintou o apartamento, ganhou um porta-retrato e começou a gostar de jazz. Agora que você está com o coração às moscas e morrendo de frio.

O amor aparece quando menos se espera e de onde menos se imagina. Você passa uma festa inteira hipnotizado por alguém que nem lhe enxerga, e mal repara em outro alguém que só tem olhos pra você. Ou então fica arrasado porque não foi pra praia no final de semana. Toda a sua turma está lá, azarando-se uns aos outros. Sentindo-se um ET perdido na cidade grande, você busca refúgio numa locadora de vídeo, sem prever que ali mesmo, na locadora, irá encontrar a pessoa que dará sentido a sua vida. O amor é que nem tesourinha de unhas, nunca está onde a gente pensa.

O jeito é direcionar o radar para norte, sul, leste e oeste. Seu amor pode estar no corredor de um supermercado, pode estar impaciente na fila de um banco, pode estar pechinchando numa livraria, pode estar cantarolando sozinho dentro de um carro. Pode estar aqui mesmo, no computador, dando o maior mole. O amor está em todos os lugares, você que não procura direito.

A primeira lição está dada: o amor é onipresente. Agora a segunda: mas é imprevisível. Jamais espere ouvir "eu te amo" num jantar à luz de velas, no dia dos namorados. Ou receber flores logo após a primeira transa. O amor odeia clichês. Você vai ouvir "eu te amo" numa terça-feira, às quatro da tarde, depois de uma discussão, e as flores vão chegar no dia que você tirar carteira de motorista, depois de aprovado no teste de baliza. Idealizar é sofrer. Amar é surpreender.
 
(Texto de Martha Medeiros)

domingo, 20 de junho de 2010

Ditos populares


Sou uma mulher que gosto de frases feitas, alguns chavões que não me canso de encaixar no meio de conversas ou brincadeiras. Acabo percebendo que não faço isso sozinha, pois todo mundo tem esse costume, coisas que aprendem com as gerações passadas, partes de músicas ou personagens da TV.

Com o vasto universo de frases à nossa disposição, não se faz necessário inventar frases de efeito, afinal as que existem por aí são tão boas e marcantes. Porém, vez ou outra me pego inventando algumas, embora nunca me lembre de anotá-las. Talvez, se marcasse, as próximas gerações poderiam aproveitá-las. E olha que é cada pérola que sai, que eu nem sei de onde vem. As pessoas se divertem com elas e eu, muito mais, ao perceber que com algo tão pequeno consigo algumas boas gargalhadas.

Tem um poema chamado Metade, do Oswaldo Montenegro, que ele deve ter escrito num momento em que incorporei nele, pois ele fala por mim, frase a frase. Entre todas tem uma que me chama a atenção, que diz: “que as palavras que eu falo não sejam ouvidas como prece e nem repetidas com fervor, apenas respeitadas, como a única coisa que resta a um homem inundado de sentimentos”. Lindo, né? Vai ver que é por isso que não anoto, pra não virar mais um desses tantos ditados populares que só servem para nos desculpar de algo que deveríamos ter feito e não fizemos. Quer ver?

“Deus ajuda a quem cedo madruga” – Tem coisa mais sem nexo? Gente! Pedreiro, servente, empregada doméstica, padeiro e muitos outros acordam antes do próprio sol nascer e, na grande maioria das vezes, passam a vida estabilizados, numa escravidão sem fim, em busca de algum dinheiro para conseguir se manter. Com certeza, quem inventou foi um alto empreendedor que adorava acordar tarde e, por ser muito inteligente, colocou as pessoas para fazerem o trabalho braçal ou o mais cansativo.

“Está no inferno, abraça o capeta” – Cruz credo!!! Acho que a intenção deste é dizer que a gente tem sempre que arrumar uma solução para os momentos difíceis ou olhar o lado bom das coisas. Eu inventaria algo como: está no inferno, não esqueça o extintor e procure a primeira saída. Eu, heim?

“O amor é cego” – Acho que essa ficou muito incompleta porque quando amamos ficamos, além de cegos, surdos, mudos e retardados. Falando em cegueira, tem também “Tem pai que é cego”, mas se fosse só pai a gente até dava um jeitinho, mas tem tanta gente cega por aí. O mais triste é que “o pior cego é aquele que não quer ver”. Concordo plenamente.

“Quem espera sempre alcança” – Quem garante? Ouvindo isso me dá uma sensação pesada de comodidade absoluta, de quem nunca se move atrás de seus objetivos, esperando sempre que as coisas caiam do céu. Talvez seja inventada para que possa trabalhar a paciência dos ansiosos como eu. Mas a minha pergunta é: por que esperar pra alcançar, se eu posso alcançar bem rapidinho, se me propor a correr atrás do que quero? E tem mais, “boi que chega primeiro bebe água limpa”.

Tem alguns que são muito engraçados porque, quando ouvimos temos a nítida sensação do que a outra pessoa quis dizer. Por exemplo: “estou correndo mais que azeitona em boca de banguela”. Imagina só um banguela comendo uma azeitona, ela escorrega de um lado pro outro, meio desordenadamente e desliza, desliza até que se chegue ao caroço.

Ou então: “estou mais perdido do que cego em tiroteio”. Olha o cego aí de novo. Mas visualiza um capo de batalha e um cego no meio, ouvindo tiro de tudo quanto é lado sem saber pra onde ir. Teria sensação de se estar mais perdido do que essa?

Alguns são infalíveis como “Neblina na serra, chuva na terra. Neblina na baixa, sol que racha”. Esse é muito usado e observado no meio rural até hoje, coisa que a climatologia confirma.

“Águas passadas não movem moinhos” – Não mesmo. Elas já passaram por ele e seguiram seu percurso. Ela nos mostra que ficar remoendo o que passou de nada vai adiantar para caminharmos adiante ou fazer qualquer coisa funcionar, afinal “quem vive de passado é museu”.

“Cada macaco no seu galho” foi remodelada nos últimos tempos com a famosa “cada um no seu quadrado”. Expressões que impõe limites ao espaço de cada um, pois respeito é algo que cabe sempre em qualquer lugar, principalmente quando o “lugar” é o outro.

E por aí vai. São tantos ditos e tantas frases que se eu fosse falar de uma por uma, meu texto viraria um livro, com toda certeza. Mesmo assim, hoje, resolvi registrar esses meus devaneios em cima de costumes da Língua Portuguesa, que vêm sendo passado de geração a geração e são sempre muito usados, quando não encontramos a palavra certa.

Sei que poderia ter escolhido um tema melhor, mas também sei que “tudo vale a pena, se a alma não é pequena”.

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Mais um na multidão - Erasmo Carlos


Guarde segredo que te quero
E conte só os seus pra mim.
Faça de mim o seu brinquedo...
Você é meu enredo...
Vem pra cá!

Te quero...
Te espero...
Não, não vai passar!
O amor não falta estar.

Você pensa mim,
Eu penso em você...
Eu tento dormir,
Você tenta esquecer.
Longe do seu ninho, meu andar caminho.
Deixo onde passo os meus pés no chão...
Sou mais um na multidão!

O mar de sol no leito do lar
E nem o rio pode apagar...
O amor é fogo e ferve queimando!
Estou ferido agora e sigo te amando...
Você pode acreditar!

A mesma carta, o mesmo verbo...
E sonho só viver pra ti.
Quem tem a chave do mistério,
Não teme tanto o medo de amar.

Me cego...
Te enxergo...
Não, não vai passar!
O amor não tarda estar.

Te quero...
Te espero...
Não, não vai passar!
O amor não falta estar.


Há muito tempo estou querendo escrever sobre essa música, mas há meses não conseguia, talvez por estar sem tempo, talvez por estar mesmo sempre me sentindo mais uma na multidão e não conseguir passar esse sentimento para o papel.
Hoje não paro enquanto não finalizar. Me propus a terminar, mesmo que eu tenha essa sensação tão constante em minha vida, que nunca se acaba.
Como já disse em outros textos, às vezes paro para sentar na arquibancada da vida e observar as pessoas. Não só as que estão ao meu redor, mas todas as outras, inclusive aquelas que nem conheço e que se encontram do outro lado do mundo.
É como aquelas imagens de telejornais que mostram centros de grandes cidades com milhares de pessoas andando pra lá e pra cá, atravessando ruas, cada um vestido à sua maneira, tendo como companhia seus pensamentos apenas, pois apesar de estarem cercados de pessoas por todos os lados, na verdade, somos uma ilha no meio do nada.
As pessoas vivem, cada qual a sua vida, cada um com seus problemas, seus sonhos, suas dificuldades ou conquistas e, por mais que o nosso rol de relacionamento seja bem vasto, a certeza é que não somos entendidos como gostaríamos e bate aquela solidão no peito.
Essa música me passa a imagem de um casal que se ama, que pensa um no outro o tempo todo, que têm entre si um sentimento forte que faz toda uma conexão entre eles, mas estão distantes, longe dos corpos um do outro, mas dentro do coração. É como um amor platônico, onde ambos buscam se encontrar e realizar o sonho de se unificarem completamente e para sempre.
Mas cada um tem a sua vida, o seu tempo, os seus objetivos e estão totalmente desconectados na vida. Tudo o que têm é o desejo um do outro, o sonho de um dia estarem juntos e viver um amor tão esperado, o qual nenhum tempo ou distância é capaz de apagar.
Então, os dias passam, a vida passa e a sensação que se tem é que nada faz sentido, pois não se tem o ser amado por perto. Criam-se esperanças, visualizam-se momentos, sonha-se viver esse amor, arruma-se desculpas para o desconsolo e a ilha permanece.
Assim o tempo passa. A pessoa amada que se encontra tão longe, te acompanha todos os dias em seus pensamentos, seja nas lembranças de um passado, seja no sonho do reencontro. E você se pergunta: onde me encontro em toda essa história? E daí você descobre que é só mais um na multidão.

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Novidade para os homens


À medida que envelheço e convivo com outras pessoas, valorizo mais ainda as mulheres que estão acima dos trinta.

Elas não se importam com o que você pensa, mas se dispõem de coração se você tiver a intenção de conversar.

Se ela não quer assistir ao jogo de futebol na TV, não fica à sua volta resmungando, pirraçando... Vai fazer alguma coisa que queira fazer. E geralmente é alguma coisa bem mais interessante.

Ela se conhece o suficiente para saber quem é, o que e quem quer.

Elas definitivamente não ficam com quem não confiam.

Mulheres se tornam psicanalistas quando envelhecem.

Você nunca precisa confessar seus pecados... Elas sempre sabem...

Ficam lindas quando usam batom vermelho. O mesmo não acontece com mulheres mais jovens... Por que será, hein???

Mulheres mais velhas são diretas e honestas. Elas te dirão na cara se você for um idiota, caso esteja agindo como um!

Você nunca precisa se preocupar onde se encaixa na vida dela. Basta agir como homem e o resto deixe que ela faça...

Sim, nós admiramos as mulheres com mais de trinta anos!

Infelizmente isto não é recíproco, pois para cada mulher com mais de trinta anos, estonteante, bonita, bem apanhada, sexy e resolvida, há um homem com mais de trinta, careca, pançudo, em bermudões amarelos, bancando o bobo para uma garota de dezenove anos...

Senhoras, eu peço desculpas por eles: não sabem o que fazem!

Para todos os homens que dizem: 'Por que comprar a vaca, se você pode beber o leite de graça?', aqui está a novidade para vocês:

Hoje em dia 80% das mulheres são contra o casamento e sabem por quê?

Porque 'as mulheres perceberam que não vale a pena comprar um porco inteiro só para ter uma linguiça!'


(Texto de Arnaldo Jabor)

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Um dia por vez - 16/06/10 - Momento vitrine


Vitrines e mais vitrines. Elas são o cartão de visitas de todas as lojas, sejam elas de roupas, sapatos, móveis, chocolates, brinquedos ou qualquer outro artigo. São responsáveis por destacar os melhores produtos, os mais bonitos, os que estão na moda, os lançamentos... é o “chamarisco” para o público que transita por aí pelas ruas, galerias ou shoppings.

Imagino que se um livro, por exemplo, tivesse alma e fosse colocado na vitrine de uma livraria de renome, seria como ganhar o Oscar, ganhar uma eleição, seria como uma modelo que sonha a vida inteira em sair na capa da revista mais famosa e antenada do mundo.

Dizem que nunca se pode comentar sobre uma experiência que nunca se teve, pois algumas coisas só fazem realmente sentido quando são vividas e sentidas na pele. Se não, é como saber toda a teoria, mas na hora da prática, ficar sem saber o que fazer.

Pousar, fazer parte de uma vitrine nunca foi uma experiência sonhada por essas duas amigas. Primeiro, porque não eram modelos (pelo menos até esse dia). Segundo que, para ocupar um lugar numa vitrine, é preciso ter uma postura de elegância e beleza de alta categoria, pois é preciso estar impecável.

Não que elas não fossem belas e elegantes, pelo contrário, eram verdadeiras deusas, mulheres encantadoras, mas o que mais chamava a atenção nelas era o interior cheio de alegria e intensidade. Além do mais, “quem vê cara, não vê coração” e elas sempre se mantiveram ligadas às coisas do coração.

Numa tarde de quarta-feira, um dia de semana completamente comum, as amigas saíram para comprar algumas coisas e foram ao shopping, olhar vitrines, meras expectadoras à procura do produto ideal. Conversa vai, conversa vem, resolveram parar para um café, como de praxe nos momentos em que estão juntas.

Mas nessa quarta-feira aconteceu uma coisa inusitada. Na cafeteria foram convidadas a ocupar a vitrine de uma nobre livraria, local que as duas adoram, pois não haviam mesas desocupadas na cafeteria e lá seriam servidas.

Neste dia, a vitrine da livraria, uma grande e famosa franquia, apesar de bem planejada, com títulos interessantes, alguns livros mais vendidos e muitos lançamentos, ficou mais bonita, mais chamativa e completamente interessante.

As belas mulheres se sentaram em poltronas confortáveis, com aquela elegância que lhes é nata, como se estivessem numa casa de chá colonial. Sentiram-se tão em casa que era como se ali fosse a sala de estar de suas casas.

De meras expectadoras passaram a serem as protagonistas e ali estavam tão à vontade que sentaram, conversaram, folhearam alguns livros, deram boas risadas e filosofaram muito. Claro que falaram de amor, maneiras de amar, demonstrações de afeto, do dar e do receber amor... assunto esse que está sempre em foco para as duas, estejam elas juntas uma com a outra, com outras companhias ou sozinhas. E quando sozinhas, dividem com o papel. Deixam deslizarem as letras que saem do coração e vão colocando ali toda sensibilidade e sentimento.

Como se sabe, quando se fala de amor, seja quem for, os olhos se iluminam, a alma resplendece, a aura fica grande e colorida. E nesse clima de amizade e cumplicidade, que também é uma forma de amor, elas ficaram ali, tomando seus cafés, observando as pessoas que passavam e olhavam desentendidas, como se elas fossem uma tela de cinema e elas apenas observavam o transitar das pessoas e da vida.

Nessa oscilação, entre ser vitrine e ao mesmo tempo assistir ao filme da vida que passava lá fora, elas se divertiam, viajando nas histórias que elas viveram ou criavam, temas que poderiam estar registrados em algum daqueles livros, junto com tantos outros títulos, para que as pessoas que tivessem a oportunidade de ler (ou diria lê-las), pudessem entender que as coisas boas da vida estão nos momentos mais simples como: folhear um livro, tomar um bom chá ou café, rir pra valer, conversar coisas sem sentidos que tem em si uma total profundidade filosófica e valorizar uma boa amizade.

Esse foi o momento vitrine das duas amigas... surpreendente, porém singelo. Até que ser deram conta que, na vida real, somos todos vitrines aos olhos de quem nos vê. Alguns vêem e não enxergam, outros ficam desentendidos, outros acham graça, outros se encantam de tal maneira que não perdem mais aquela imagem.

O que as pessoas não sabem é que essas vitrines humanas, revelam segredos de si mesmas e que, basta prestar um pouquinho mais de atenção, e elas podem levar com elas para casa, de graça, um excelente aprendizado.

Formigas


Observando algumas formigas no jardim aqui de casa, percebi que todas seguiam uma mesma rota carregando folhas maiores que elas mesmas, mas, seguiam firme em direção ao formigueiro, que descobri, estar poucos passos adiante, o que para elas deveria representar uma grande viagem.

De repente percebo que uma delas está com uma folha exageradamente grande nas costas, deveria ser plo menos vinte vezes maior que ela, e seu esforço era notado a distância. Fiquei ali imaginando o orgulho dessa formiga presunçosa, carregando aquela folha gigantesca e como ela deveria estar ansiosa em mostrar a formiga rainha como ela era forte, como ela era capaz, quem sabe até ganharia uma promoção.???

Enquanto a fila de formigas seguia em direção ao formigueiro, essa formiga girava em volta de si mesma, sem conseguir sair do lugar, seu esforço era tão grande que mal avançava um passo, voltava dois para trás, estava tão cega, tao entretida na sua luta de carregar aquele mundão nas costas que nem percebeu que todas as formigas largaram as folhas para escapar do pé de um menino que vinha correndo atrás de uma bola. As formigas escaparam por pouco, mas nossa amiguinha não teve a mesma sorte, morreu esmagada, agarrada a sua folha gigante.

Assim como a formiga, nós seres humanos inteligentes e sensíveis, vez em quando queremos carregar mais coisas em nossas costas que podemos suportar, os problemas dos outros, as dores do mundo e a ganância de querer sempre mais, de ser mais e melhor e quando acordamos para a realidade estamos esmagados pelo peso de nossa insensatez.

Cuide mais de você, o dia passa, as pessoas passam, o tempo passa, mas você fica, você será a sua eterna companhia, todos podem até fugir de você, mas você não pode fugir desse encontro com você mesmo, com a sua paz interior, com a sua felicidade.

Por amor a você, carregue apenas a sua mala, e de preferência, o mais vazia possível!

Eu acredito em você!

(Desconheço a autoria)

terça-feira, 15 de junho de 2010

Cuide bem do seu amor


Muita gente começa um relacionamento amoroso como se fosse uma chaleira de água fervendo, mas que vai esfriando com o passar do tempo.

A maioria dos homens pensa que, para provar seu amor a uma mulher, basta preparar um jantar e uma noite romântica no dia dos namorados. Ledo engano… Só isso não é o suficiente.

A mulher não é um computador que você liga e desliga. Não funciona assim, estalando o dedo. A mulher gosta de viver o romantismo, viver o amor. A cada dia, a cada momento. Ela gosta de se sentir amada, de se sentir querida, de saber que é importante para você.

O amor é uma emoção lenta, que precisa de aquecimento e constância. Você não pode deixá-lo esfriar. Todos os dias são ótimos dias para conquistar o coração de sua mulher e aquecer a relação.

Existe um pensamento hindu que diz que muita gente começa seus relacionamentos amorosos como se fossem uma chaleira de água fervendo, mas que vai esfriando com o passar do tempo. Outros começam seus amores como uma chaleira de água morna, mas que vai aquecendo à medida que o tempo passa. Pense um pouco sobre isso.

Para declarar seu amor, dê presentes a ela, sim. Mas não se esqueça de ajudá-la nas tarefas da casa, mandar torpedos apaixonados, telefonar, mandar um email… Não deixe de surpreendê-la. Faça isso todos os dias.

Portanto, se você quer viver uma noite romântica no dia dos namorados, comece a preparar isso bem antes… Aqueça o seu amor, aqueça o seu coração e o coração dela. E continue agindo assim, mesmo depois daquelas datas especiais!

Cuide bem do seu amor e seja feliz. Você merece!


(Texto de Roberto Shinyashiki)

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Apenas palavras...


Saudade...
De alguém ou momento que não sei bem qual é.

Vontade...
De experimentar o novo, o inusitado e me sentir depois completa.

Dúvidas...
Do certo e do errado, se é que isso existe, ou não seria mais uma regra social que não tem nenhum valor.

Lembranças...
De pequenos instantes que se eternizaram para sempre dentro de mim.

Solidão...
Que me acompanha mesmo quando me encontro envolta por tantas pessoas... solidão de mim mesma.

Alma...
Que transcende todo e qualquer entendimento, só insistindo em sentir.

Espaço...
Que ainda vou conquistar e é grande, vasto, enorme.

Tempo...
O maior amigo que podemos ter quando as coisas fogem ao nosso controle, na certeza que ele é sempre um aliado e o melhor remédio.

Pensamentos...
Vivem por aí, divagando sem ter pra onde ir, mas tem lugar certo de chegar.

Vivências...
Que me fizeram ser quem sou, porém muitas outras virão, transformando tudo o que há.

Sonhos...
Que jamais me canso de tê-los, pois “quem não sonha na realiza” e até que tudo se concretize, é tudo o que me resta.

Alegria...
De viver, de estar, de ser, de inovar, de surpreender.

Felicidade...
Que tantas vezes busco tão longe, mesmo tendo a certeza que habita dentro de mim.

Fuga...
Por poucos momentos, porque as dificuldades existem para serem encaradas de frente.

Decisão...
A parte mais difícil, mas que depois de resolvida, te dá a certeza que nada pode contra você.

Universo...
Fala comigo o tempo inteiro de uma maneira descarada e direta. Só não aceito se não quiser.

Fim...
Apenas uma oportunidade de um novo recomeço.

Sol...
Brilha no céu, brilha em mim, aquece meu coração e me traz alegria de estar mais um dia com o pulmão cheio de ar e a alma cheia de vontade de viver.

Lua...
Que ilumina a escuridão e transcende a alma dos apaixonados que, como eu, se entregam ao seu encanto absoluto.

Amor...
Sentimento mais sublime, mais simples e ao mesmo tempo tão complicado para seres que, humanos que somos, não sabemos ousar de sua simplicidade e maestria.

Magia...
Algo que acontece dentro de nós quando estamos apaixonados.

Mudança...
Traz calafrios na certeza que o melhor está por vir. Só é preciso sabedoria pra enfrentar as tempestades.

Palavras...
Tantas, milhares, porém não conseguem expressar em sua totalidade o que sinto dentro de mim.