quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

A Selva


Há um lugar que todos deveriam conhecer: a selva. É um lugar bonito, exótico, que exalta a total perfeição da natureza, da criação.

Não é tão fácil conhecê-la por inteiro porque ela carrega em si mistérios desconhecidos, armadilhas escondidas, ao mesmo tempo que também tem em si a paz que traz a sensação de felicidade plena.

Na selva, há muito de imprevisível e até indefinível, a não ser a lei da natureza, que respeita todas as leis universais. Ela possui a beleza dos mais nobres sentimentos, porém, como tudo na vida é dual, também carrega em si a perversidade sempre a postos.

O cenário é perfeito, com todo tipo de fauna e de flora, em todas as suas espécies, cada qual com sua função, vivendo todos num sincronismo necessário que aspira a vida.

As cores também são inúmeras e variadas, muitas até indefinidas ainda pelo homem. São cores que só um Ser Superior poderia ser capaz de criar e colorir. Estas, estão espalhadas por cada cantinho da selva, esbanjando a simetria perfeita, como uma mistura de cores primárias, desencadeadas pela junção de seus elementos internos com os fatores externos que chegam a todo momento para enriquecer ainda mais o que já parece tão belo.

Os animais são de todos os tipos e tamanhos e vão ser caracterizando por sua suavidade ou por seu espírito selvagem, seja ele por defesa ou sobrevivência. Alguns são calmos e dóceis, mas ao menor sentimento de perigo, se tornam verdadeiros monstros incontroláveis, prontos a atacar.

Suas águas correm tenramente sobre os rios alimentando todos os seres que dela precisam. Ora se agitam como na queda de uma cachoeira, mas está sempre presente. É como o amor tão vital na vida de todos, chegando em nossa vida sem avisar ou nos fazendo buscá-lo cada vez mais, para evitar a morte de uma alma que seca.

Embora essas águas pareçam correr calmamente, com destino próprio e conhecido, por baixo escondem-se correntezas que têm anseio de chegar logo ou chegar longe, atrás do seu destino, abrindo caminhos.

Nem sempre se conhece onde vai chegar, mas intuitivamente ela sabe que é preciso um tanto de velocidade, agressividade e determinação. Águas que não têm essa característica, simplesmente formam pequenas poças pelas margens, até que o calor do sol a evapore completamente e a faça desaparecer para sempre.

Nós, seres humanos, somos como a selva. Cada um com suas peculiaridades diferentes, porém todos com um vasto terreno ora muito conhecido e previsível, ora totalmente surpreendente e desconhecido. E essas são sempre observadas por tantos que tentam avaliar e até definir nosso tipo de solo ou vegetação.

Porém, seja qual forem, vão estar sempre em transformação, de acordo com os fatores externos que até ela chegam, como a chuva ou o calor dos raios solares que adentram entre as folhas de suas altivas árvores. Esses fatores serão fundamentais para fazer da selva mais verde e, magicamente, fazê-la florescer com a força das seivas, que farão de sua existência muito mais bela e enriquededora.

Um comentário:

  1. O que não faltou nesta sua selva é o que sobra na realidade das selvas do nosso país,muito calor e fogo.Mesmo camuflando as palavras no meio das folhas e das árvores deixou bem escapar o sentimento contido nesta sua floresta.Como uma mata ainda virgem a ser explorada aguarda esta sua selva que corajosos aventureiros nela penetrem e daí extraiam o que de melhor que elaq pode oferecer.Mim Tarzan,you Jane....

    ResponderExcluir