quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Vida Conciliada



Uma amiga me pediu para que eu escrevesse sobre como a mulher poderia fazer para conciliar trabalho, filhos, marido, lazer... e continuar de carinha boa e feliz. A maneira como faço no meu dia-a-dia, eu já contei no texto que escrevi chamado Um dia por Vez – O tempo. E dar a receita é pretensão, afinal, minha vida é completamente diferente do resto do mundo, envolvendo pessoas diferentes, lugares diferentes, caminhos diferentes, ideais diferentes... impossível dar a fórmula!

Na verdade, não me preocupo tanto com isso não. Creio que a coisa é meio assim: a gente liga o piloto automático e “se vira nos 30”. Quando acontece, a gente acode, dá um jeitinho, recorre a alguém, ou simplesmente aprende a dizer não.

O grande problema é que nós, mulheres, achamos que somos obrigadas a dar conta de todo o recado com a máxima perfeição. Temos em mente a Mulher Maravilha e, como já citei em outras publicações, estamos sempre nos comparando com alguma outra mulher que dá conta e pensando: “Se ela dá conta, eu também tenho que dar”. E dá-lhe cobrança!

Isso sim gera cansaço, mau humor, ansiedade, porque o grande chavão da vida é que ninguém é igual a ninguém. Somos seres únicos e “Deus só dá o frio conforme o cobertor”. Aquela história, aquela vida, foi designada a nós e, se foi, você impreterivelmente dá conta do recado, de um jeito ou de outro.

O que esquecemos é que não somos e nem temos que ser a Mulher Maravilha, aquela que resolve todo e qualquer problema que apareça e ainda tem forças para fazer pose e sorrir. Recebi um e-mail que dizia que o bom mesmo é ser a Chapezinho Vermelho, que vive cantarolando e ainda é comida pelo Lobo Mau. Adorei isso! As mulheres estão esquecendo que somos o Sexo Frágil, mesmo que, inconscientemente, queiramos nos igualar aos homens. Aliás, por que isso, heim? Esse pensamento resulta em muitas frustrações, porque é “cada macaco no seu galho”, cada um no seu papel.

No texto da Martha Medeiros, Miss Imperfeita, ela retrata muito bem essa realidade da mulher e achei o nome uma escolha extremamente feliz. Se você concilia tudo, já está de parabéns, já é vitoriosa, já se mostrou capaz (mostrou para você mesmo, porque aos outros pouco importa).

O mais importante é você estar focada em você. Não abrir mão de fazer as coisas que mais gosta. Se você não faz, vem o stress e outras doenças psicossomáticas! Quando estiver se sentindo feia, vá ao salão, compre uma roupa nova, um sapato novo. Quando estiver se sentindo gorda, não pare de comer (se fizer isso, vai entrar em parafuso de vez!), mas compense com atividades físicas, vá pra uma academia, ver gente bonita, ter estímulo para ficar com o seu corpo legal também. Não tem dinheiro pra isso? Vá correr na rua. Nada como o sol do amanhecer e o vento no rosto para nos revitalizar. Sem contar o monte de “inas” que serão liberadas no seu organismo que te darão disposição para o dia todo. Sempre tem uma saída! Basta querer.

E vou te contar um segredo: essa mulher sabe-tudo, resolve-tudo não está com nada, viu? Falo por experiência própria! A gente se descabela pra resolver tudo (geralmente coisas para os outros) e ficamos esquecidas e infelizes numa caverna distante, sem o menor reconhecimento. Ainda vai encontrar alguém pra te dizer: “não fez mais do que a obrigação”.

E se quer se mostrar assim para qualquer homem, fatalmente não dará certo. Mulher foi feita pra ser delicada, frágil, ser cuidada, paparicada... Se puder, às vezes, ser forte, decidida, ótimo. Mas só se puder e às vezes. Homem está correndo de mulher autosuficiente. Eles ficam assustados e correm. Ou correm ou ficam mansos, afinal, ‘para que resolver se minha mulher resolve tudo’? Você não quer isso pra você, quer? Não queira!!! Rsrsrs...

Então, amigas, mulheres, conhecidas ou desconhecidas, vivam a vida mais leve, mais despreocupadamente, porque, com toda certeza, você só dará conta do recado se estiver mais atenta a você, em primeiro lugar. Se não der para fazer hoje, faça amanhã. E se você morrer do coração e não houver amanhã? O mundo não vai parar por causa disso e logo vão arrumar alguém para fazer o que você não fez. Calma! Vai dar tudo certo, porque tudo sempre dá certo no fim.

Portanto, preocupe-se com o seu coração, com sua saúde, com o seu bom humor, com a sua aparência, com o seu estilo de vida e viva muitos e muitos anos. Mas se morrer, também não se preocupe. Você não vai estar aqui para ver quem colocaram no seu lugar e, além do mais, você vai saber que, pelo menos, viveu uma vida feliz, da qual você ainda terá grandes motivos para se orgulhar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário